23/06/2020 às 09h43min - Atualizada em 23/06/2020 às 09h43min

Método de controle do capim-annoni aumenta produtividade da pecuária

A produtividade média pode chegar a 500 kg/ha/ano de carne, bem superior à variação entre 44 e 78 kg/ha/ano

Redação com assessoria
Embrapa

-
A implantação do Método Integrado de Recuperação de Pastagens (Mirapasto) tem sido a melhor opção para recuperar uma área degradada em uso com a atividade pecuária. É o que comprovam pesquisas comparativas entre uma área recuperada com o método e outra usada como testemunha, que recebeu somente o melhoramento do campo nativo, sem controle do capim-annoni (Eragrostis plana Nees), planta invasora de rápida infestação.

O estudo foi feito durante sete anos, na 
Embrapa Pecuária Sul (RS), e constatou que não vale a pena investir em melhoramento de campo nativo se o capim-annoni não for também controlado.

Em média, no estado do Rio Grande do Sul, as propriedades de pecuária de corte em campo nativo, com alta taxa de infestação por capim-annoni, conseguem ter uma produtividade média que pode variar de 44 a 78 quilos anuais de carne por hectare, conforme o tipo de solo e a região. “Com o Mirapasto, a produtividade pode chegar a 500 kg/ha/ano, recuperando a área que estava tomada pelo capim-annoni”, garante o pesquisador da Embrapa Naylor Perez.

Os experimentos mostraram que a área de campo nativo infestado, com mais de 80% de ocupação por capim-annoni e sem o seu controle, permitiu ganhos de 222 kg/ha/ano de peso vivo de bovinos ao ser melhorada com adubo e introdução de forrageiras. Esse valor representa a média dos sete anos.

Porém, o custo para melhoramento do campo nativo não gerou um resultado econômico satisfatório, pois o valor de 172 kg/ha/ano foi equivalente aos gastos com o adubo e as sementes.

Dessa forma, o estudo comprovou que não há retorno econômico para o produtor, caso a opção seja simplesmente melhorar com adubação e introdução de forrageiras no campo nativo infestado pelo capim-annoni. “Precisamos tirá-lo do campo para recuperar as áreas degradadas.

Alguns produtores relatam que, numa situação de falta de chuvas, o capim-annoni no campo nativo é o que salva, mas ele não dá o retorno que o produtor gostaria e, ao longo do tempo, só estará reinfestando a área”, explica a pesquisadora da Embrapa, especialista em plantas daninhas, 
Fabiane Lamego.

A proposta do Mirapasto é, segundo Perez, bastante interessante, pois o campo nativo é melhorado juntamente com o controle do capim-annoni, aumentando a produtividade média para 382 kg de peso vivo/ha/ano. “Então, se abatermos o custo de implementação do Mirapasto, aproximadamente 243kg de peso vivo/ha/ano, incluído o gasto para controle do capim-annoni, da produtividade animal obtida na área melhorada, ficamos com um saldo positivo de 139 kg de peso vivo/ha/ano. 

Os números asseguram que esse caminho é melhor do que ficar com o campo infestado, produzindo no máximo 78 kg de peso vivo/ha/ano, ou melhorar o campo nativo infestado e não tirar o capim-annoni, tendo um saldo médio de 50 kg/ha/ano”, destaca o pesquisador.


Um problema para a pecuária

O capim-annoni foi introduzido acidentalmente no Brasil na década de 1950, contaminando sementes de plantas forrageiras importadas da África do Sul. Devido à sua rusticidade, foi identificado inicialmente como alternativa forrageira para os rebanhos, sendo comercializado na época pelo Grupo Rural Annoni. 

Porém, a espécie acabou se tornando um grande problema para a pecuária, devido à baixa qualidade nutricional e ao elevado potencial de disseminação. Sua adaptação ao clima e solos sul-brasileiros, aproveitando melhor os nutrientes disponíveis no solo, aliada à rejeição do gado, quando mesclada com espécies forrageiras de boa qualidade, faz com que a invasora se alastre rapidamente, dominando as pastagens para a criação animal. 

Fotos: Naylor Perez (área em recuperação com Mirapasto à direita e área testemunha à esquerda)
e Manuela Bergamim (capim-annoni)


Fertilidade e sustentabilidade

Além do ganho econômico, o Mirapasto proporciona um manejo voltado à sustentabilidade da área, pois evita que o capim-annoni continue produzindo sementes. “Assim detemos o aumento do banco de sementes do solo dessa invasora e, ao longo do tempo, a infestação é reduzida. Foi o que ocorreu na nossa área experimental”, explica Fabiane Lamego.

Porém, para obter esses resultados, é necessário percorrer alguns passos. O Mirapasto possui quatro fundamentos que devem ser realizados no campo: controle de plantas indesejáveis por meio da aplicação seletiva de herbicida; correção e manutenção da fertilidade do solo; introdução de espécies forrageiras; e ajuste da oferta de pasto. O conjunto dessas ações proporciona um resultado mais efetivo no combate à infestação.

Conheça a Enxada química aessando canal da Embrapa no Youtube.com clicando no link:

https://youtu.be/28W_g8DbhiI 

A Máquina Campo Limpo , tecnologia da Embrapa licenciada para a empresa Grazmec, aplica de forma seletiva o herbicida nas plantas indesejáveis. Assim, é possível preservar as espécies forrageiras, dificultando a reinfestação pelo capim-annoni. Essa forma de aplicação direta na planta invasora descarta a necessidade de pulverização, evitando riscos de deriva do produto e de inalação indevida pelo operador, beneficiando o meio ambiente e a saúde humana.

Em casos em que os focos são pontuais e esparsos, basta a aplicação com a 
enxada química nas plantas indesejáveis, cujo modelo de construção está disponível na página da Embrapa.

"Antes do controle da invasora, é imprescindível um planejamento para melhorar a fertilidade dos solos. O produtor deve coletar o solo, realizar a análise e verificar o pH, as condições de nitrogênio, fósforo, se precisa de calagem etc.”, lembra o instrutor do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural do Rio Grande do Sul (
Senar/RS) Leonardo Perez.

De acordo com Naylor Perez, o período ideal para controlar o capim-annoni é no fim do verão e início do outono, momento em que é mais fácil introduzir, a lanço ou por plantio direto, as espécies de forrageira de inverno e posteriormente as de verão. O objetivo é, além de promover uma nutrição animal com dieta adequada, recobrir a área que antes era dominada pela invasora, até que o campo nativo ou o pasto cultivado se restabeleça. 

A pesquisadora Fabiane Lamego frisa ser fundamental que o produtor entenda o Mirapasto como um todo, pois apenas a aplicação desconexa dos quatro fundamentos pode não surtir o efeito esperado. “O Mirapasto compila uma forma integrada de lidar com o capim-annoni, evitando sua expansão.

É muito difícil que uma prática isolada resolva o problema da sua infestação. É preciso juntar esforços, ter persistência e planejamento na adoção do método, ou seja, adotar o manejo integrado”, assegura.


Quando intervir

A decisão do produtor rural deve ser tomada o quanto antes, ao constatar a presença esparsa da invasora na propriedade. “Deve-se iniciar o controle tão logo plantas individuais sejam notadas, pois baixas infestações, entre 5% e 20%, já comprometem o crescimento do pasto e geram dano econômico.

É importante, então, agir no combate dos primeiros focos”, frisa Naylor Perez. A prática mais comum, segundo o pesquisador, tem sido o produtor reagir quando a maior parte do campo nativo já está comprometida


Conhecendo o inimigo

Há 11 anos, sob coordenação da Embrapa, foi formada a Rede de Pesquisa em Capim-annoni, composta por cerca de dez membros de diferentes instituições de pesquisa e ensino.

O grupo vem estudando distintos aspectos da invasora, para conhecer a fundo a planta e determinar a melhor forma de controlá-la na sua região de ocorrência, que abrange o Rio Grande do Sul, Santa Catarina e sul do Paraná, além de Uruguai e Argentina. 


Foto: Embrapa divulgação


De acordo com Lamego, o Mirapasto é uma tecnologia pronta e eficiente para uso do produtor que deseja controlar o capim-annoni (foto à direita), porém a Rede de Pesquisa vem trabalhando em formas alternativas de controle com o uso, por exemplo, da biotecnologia. “Um trabalho de doutorado, em parceria entre a Embrapa, Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e University of Arkansas (Uark), nos Estados Unidos, já estimou o tamanho do genoma do capim-annoni, que é muito próximo ao do arroz.

Esse tipo de estudo visa entender melhor aspectos da planta para desenvolver, no futuro, ferramentas que possam complementar a estratégia de manejo integrado,” explica.

Entre as principais características do capim-annoni se destacam a tolerância ao estresse hídrico (seca); o sistema radicular bem desenvolvido (que produz cerca de 40% a mais de massa de raízes que as espécies de campo nativo); a intolerância ao sombreamento; a manutenção de grande quantidade de sementes armazenadas no solo; e elevada capacidade de rebrota e disseminação de sementes pelas roçadas mecânicas.

 

Campo Limpo +

Como forma de potencializar a luta contra o capim-annoni, a Embrapa Pecuária Sul e a Grazmec apresentaram ao público em 2019 o novo aplicador seletivo de herbicidas Campo Limpo +. O equipamento entra no mercado juntamente com o modelo atualizado da Campo Limpo, lançada em 2009. Por ser maior, a Campo Limpo + apresenta um rendimento 90% superior ao da versão anterior e traz melhoria no fluxo de distribuição de herbicida, aumentando a eficiência de controle da invasora. Tem design atualizado e facilidades no mecanismo de limpeza, além de componentes ainda mais robustos. 


O pesquisador da Embrapa Naylor Perez apresenta a Campo Limpo, lançada em 2009, em
parceria com a empresa privada Grazmec. 
Há um modelo atualizado, a Campo Limpo +, de 2019

 

Apesar de terem sido concebidos para enfrentar o capim-annoni nas condições do Rio Grande do Sul, esses implementos, assim como os princípios do Mirapasto, têm eficiência no combate de diversas plantas invasoras no Brasil, como a maria-mole/flor-das-almas, o mio-mio, o capim-navalha, o capim-morão e o capim-capeta, entre outras gramíneas invasoras.

Foto: Kéke Barcellos


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se você é produtor rural, qual a sua principal atividade agrícola?

11.3%
5.2%
8.5%
3.8%
8.5%
31.9%
6.6%
10.8%
3.8%
2.8%
4.2%
2.8%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp