08/06/2020 às 10h55min - Atualizada em 08/06/2020 às 10h55min

Produtores de leite fazem protesto contra os valores pagos pelos laticínios em vários estados

Em algumas cidades valor pago pelo litro chegou a R$0,82

Emerson Calcanhoto
-
Nas últimas semanas tornaram-se constantes as manifestações de produtores de leite pelo Brasil. O problema principal enfrentado pelo produtor é o mesmo seja em Rondônia ou no Paraná, o baixo preço pago pelos laticínios ao produtor.

A justificativa para praticar preços tão baixos é o momento econômico brasileiro em tempos de pandemia. Mais as notícias que tem chegado a nossa redação demonstram o contrário, segundo informações de diversos institutos de pesquisa e centrais de notícia, os consumidores aumentaram compra de gêneros alimentares e produtos de necessidade básica durante a pandemia.

E não houve também redução de preço de produtos ao consumidor no período.

Do lado do produtor, a situação foi inversa, o valor pago por eles nos produtos que compõem a dieta dos animais tiveram alta no periodo, como é o caso da soja.

Protestos pelo Brasil

Rondônia - Os produtores de leite do estado estão mobilizados desde o dia 15/05, e resolveram mudar a forma de protesto. Agora estão fechando estradas para impedir a passagem de caminhões coletores.

Desde o início da mobilização, os produtores estavam protestando não fazendo a entrega de leite aos laticínios, como alguns estavam fazendo negociações individuais, e com isso, atrapalhando o andamento das negociações coletivas, os produtores decidiram impedir a passagem dos caminhões dos laticinios. 



Os produtores querem preço único de R$ 1,45 por litro em todos os municípios. Atualmente os preços pagos pelas empresas variam de R$ 0,60 a R$ 1,05, sendo considerado abaixo do custo de produção, estimado pelos produtores em R$ 1,10 o custo por litro. Também querem o pagamento regular a cada dia 5 do mês subsequente à entrega.

O Sidileite (Sindicato das Indústrias de Laticínios no Estado de Rondônia) não se manifestou sobre os protestos e nem sobre as reivindicações dos produtores.

Paraná - Na região de Toledo/PR, cerca de 90 produtores ligados ao Movimento dos Produtores de Leite do Oeste do Paraná organizaram uma carreata, protestando contra o preço baixo do leite pelos laticínios e também pela atenção das autoridades públicas para o problema. O grupo afirma que o valor praticado inviabiliza a atividade.



Os produtores doaram leite e derivados para o Lar dos Idosos, após isso doaram sangue para o Hemocentro da cidade. 

Vale lembrar que o preço do leite no Paraná teve alta de 12% no mês de maio, ficando na casa de R$1,42 o litro.

Mato Grosso -  Um grupo de pecuaristas do oeste do estado resolveu não entregar mais o leite aos laticínios, iniciando uma greve de leite. Segundo o produtor Leandro Boselli, o valor oferecido pelo litro do leite é um absurdo e vale mais a pena optar por outras fontes de renda. O preço pago nessa região chegou a R$0,82 por litro.

 


“Não podemos aceitar isso. Estamos pagando para trabalhar. Pagar 90 centavos é muito injusto. Como todos estavam aceitando entregar lete por esse preço, não tinha acordo. Mas agora que paramos, só vamos voltar a entregar o leite novamente se houver reajuste do preço”, disse José Carlos, que faz parte do grupo Beba Mais Leite, de Conquista D’Oeste.

Na região sul de Mato Grosso os produtores associados da Cooperativa Comajul foram avisados pela empresa que deverão receber R$0,15 centavos a menos no preço do quilo/litro de leite em junho, baixando de R$1,25 por litro pra cerca de R$1,10.

Mesa de negociações

Diante do cenário atual, é necessário a atuação do poder público participando junto das Associações de produtores nas rodadas de negociação junto aos laticínios, para que haja um valor mínimo pago pelo produto que garanta um valor mínimo digno ao produtor, já que muitos destes já começam a abandonar a atividade.
   


.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se você é produtor rural, qual a sua principal atividade agrícola?

11.3%
5.2%
8.5%
3.8%
8.5%
31.9%
6.6%
10.8%
3.8%
2.8%
4.2%
2.8%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp