14/04/2022 às 12h46min - Atualizada em 14/04/2022 às 12h46min

Maricultores de Palhoça (SC) vão receber autorizações para cultivo de ''macroalga'' utilizada como fertilizante

O cultivo das macroalgas Kappaphycus alvarezii é uma excelente fonte de renda já que pode ser comercializada na condição de biofertilizante ou para produção de carragenana, usada como espessante pelas indústrias química e alimentícia.

Redação com assessoria
Epagri SC
-
Maricultores de Palhoça, na Grande Florianópolis, recebem nesta segunda-feira, 18, as primeiras autorizações para cultivo de macroalgas Kappaphycus alvarezii no município. O cultivo de macroalgas em Santa Catarina vem sendo pesquisado e estimulado há mais de uma década em projetos de pesquisa desenvolvidos em parceria pela Epagri/Cedap e UFSC.

 

A entrega das autorizações acontece a partir das 10h30min, na Praia do Cedro, onde estão fazendas de produção de algas e uma unidade de pesquisa da Epagri. Estarão presentes representantes da Epagri, o prefeito de Palhoça Eduardo Freccia, o secretário de Maricultura e Pesca do município, Flávio Martins, além dos maricultores contemplados e outras autoridades do setor.
 

Excelente fonte de renda
 

Alex Alves dos Santos, pesquisador da Epagri/Cedap, explica que a produção de macroalgas vem se firmando como uma excelente fonte de renda para maricultores do Estado, que pode ser comercializada na condição de biofertilizante ou para produção de carragenana, usada como espessante pelas indústrias química e alimentícia.

 

Há mais de uma década, Epagri/Cedap e UFSC desenvolvem estudos para viabilizar a produção da macroalga em Santa Catarina. Em 2009 começaram os cultivos experimentais em Florianópolis, que depois se estenderam para os municípios de Governador Celso Ramos e Penha. Tais ampliações eram condicionantes para a liberação dos cultivos comerciais, impostas pelo Ibama, órgão licenciador de espécies exóticas.

 

Segundo Marcelo Ramos, extensionistas da Epagri no município, a licença ambiental foi expedida pela Fundação Cambirela do Meio Ambiente de Palhoça (FCAM), com a participação técnica da Epagri, da Secretaria de Aquicultura e Pesca (SAP) ligada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), e Secretaria Municipal de Maricultura e Pesca.
 

Infraestrutura pronta
 

Edson de Quadra, também extensionista da Epagri em Palhoça, relata que maricultores locais estão ansiosos para iniciar a produção comercial de macroalgas. Um bom exemplo é José Joscelino da Silveira, que já investiu em equipamentos e outras infraestruturas que para iniciar assim que possível a produção de biofertilizante a partir da nova matéria-prima, com vistas a atender os agricultores da região.

 

A macroalga é nativa de regiões tropicais do continente asiático, como Indonésia e Filipinas, que são os maiores produtores mundiais. Por ser de uma região mais quente, ela não consegue se reproduzir sozinha no Brasil, onde a sua propagação é vegetativa. Isso representa uma importante segurança ambiental, pois garante que a espécie exótica não vai se reproduzir descontroladamente.

 

No Brasil, os plantios e replantios são realizados com pequenos ramos retirados do vegetal. Os ramos rebrotam e crescem em ciclos que variam de 30 a 60 dias, dependendo da época do ano. No verão os ciclos são menores e vão aumentando à medida que esfria.

 

Serviço
 

  • O que: entrega das primeiras autorizações para cultivo de macroalga em Palhoça
  • Quando: segunda-feira, 18 de abril, às 10h30min
  • Onde: Praia do Cedro, em Palhoça





LEIA TAMBÉM:



Sistema Antecipe diminui riscos de plantio para milho safrinha



Sistema de plantio direto na lavoura de mandioca aumenta em 50% a produtividade por hectare




Integrar lavoura, pecuária e floresta proporciona menores perdas de solo, água e nutrientes que no Plantio Direto
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Disqus exige que voce se registre seu site. Voce pode fazer isso a partir de Registre-se
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp