13/04/2022 às 10h43min - Atualizada em 13/04/2022 às 10h43min

Simpósio promovido pela FACTA avaliou os riscos da Influenza Aviária e da Doença de Newcastle no Brasil

Epidemiologia, restrições, impactos econômicos, diagnósticos, prevenção e estrutura laboratorial fizeram parte da agenda de discuções.

Assessoria
FACTA
-

A FACTA realizou nesta terça-feira (12) o Simpósio sobre Riscos da Influenza Aviária (IA) e Doença de Newcastle (DNC) no Brasil. Temas como a definição das epidemiologias, restrições ao comércio de produtos, impactos econômicos, métodos de diagnósticos e estrutura laboratorial, monitoria e prevenção são alguns dos destaques do evento realizado de forma totalmente on-line.

 

Totalmente gratuito, o Simpósio contou com o patrocínio do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP) e da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) e foi destinado a profissionais, pesquisadores, especialistas e estudantes.


De acordo com o diretor-presidente da FACTA Ariel Mendes o encontro faz parte de uma série de eventos iniciados há mais de quinze anos. “A avicultura brasileira sempre se preocupou de forma muito intensa para a prevenção. Sempre desenvolvemos uma grande integração junto ao setor privado, com as Associações, produtores e laboratórios. Não existe segredo. A ‘chave’ é continuar isentos da IA e DNC. Temos que estar preparados”, destacou Mendes na abertura do Simpósio.


 

O presidente do CRMV - SP Odemilson Mossero enalteceu os temas debatidos no evento. “São muito importantes, pois estas doenças sempre estiveram em pauta e o Brasil se mantém atento com o objetivo de atender a sociedade e o país”, disse.

 

Segundo o membro do corpo técnico da FACTA, Paulo César Martins, o debate acerca da IA e DNC transcende a produção avícola. “São duas enfermidades que temos que ter muita atenção e as informações tem que ser passada a todos os técnicos”, afirmou.

 

A Professora da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da Universidade de São Paulo Helena Lage Ferreira deu início à programação técnica. Ela abordou a epidemiologia do vírus da IA e DNC.  Ela explicou que os vírus são potencialmente perigosos e apresentam mutações constantes.  "Há vírus que se tornam endêmicos em diversos países, o que é um quadro extremamente grave. Eles têm uma patogenicidade maior em aves silvestres, com possibilidade de expansão dos tipos de hospedeiros”, afirmou.



Dando continuidade, o médico veterinário Marcelo Paniago, Ceva Animal Health Asia, trouxe questões como o impacto social e econômico da IA e da DNC e apresentou um panorama de suas ocorrências em nível mundial.  Seu tema foi “Situação da IA e DNC no mundo”.  


 

Segundo ele, o Brasil tem uma situação invejável do ponto de vista de saúde dos plantéis avícolas. “O risco de introdução destas doenças existe e não pode ser negligenciado. O desafio em caso de um surto é evitar que o vírus se espalhe. Isso não é tarefa simples para um país de dimensões continentais e com o tamanho e a complexidade da indústria avícola nacional”, apontou.

 

Paniago listou os fatores essenciais que mantém o país livre de IA e da DNC. Ele entende que os rígidos procedimentos de biosseguridade, a vigilância constante, a transparência, a realização de um diagnóstico rápido e a depopulação das aves afetadas têm auxiliado na manutenção do status sanitários da avicultura brasileira. 



O médico veterinário Bernardo Todeschini, do Ministério da Agricultura, trouxe as principais restrições ao comércio de produtos de país, zona ou compartimento afetados por IA e DNC previstos no Código de Animais Terrestres da Organização Mundial de Saúde Animal, a OIE.


 

Segundo ele, as recomendações da instituição têm um carácter dinâmico e são periodicamente atualizadas para atendimento de novas necessidades e possibilidades.


“As limitações ao comércio evidenciam uma das vantagens do status livre e os seus textos devem ser considerados de forma integrada. As recomendações são em geral seguidas pelos países membros, mesmo nos casos de doenças em reconhecimento oficial pela OIE”, apontou.  “O alinhamento com as suas recomendações traz consistência e confiabilidade às ações e expectativas de parceiros comerciais”, afirmou.


 

Na sequência, o auditor do Laboratório Federal de Defesa Agropecuária - LFDA Campinas André Mendonça trouxe o tema Estrutura para Diagnóstico de Influenza e Doenças de Newcastle no Brasil e o papel do laboratório de referência da OIE.  



Ele mostrou o avanço da estrutura, desde 2005 até os dias atuais. “Quinze anos atrás a maioria do pessoal era terceirizada e hoje, nossa equipe é composta 100% por servidores. O tempo de diagnóstico era de três semanas e hoje, não levamos mais do que seis horas, além, claro de toda a estrutura e tecnologia para registro de amostras, estrutura, um trabalho em rede e que hoje serve de referência da OIE para AI e DNC”, apontou.



Depois foi a vez do Professor do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo Edison L. Durigon trazer ao debate o tema “Monitoria em aves migratórias: quando e como fazer”.


 

De acordo com ele, esta monitoria já é feita desde 2003. “O ‘quando fazer’ é todo dia. Temos que estar sempre alertas.  Sempre contamos com respaldo institucional do Ministério da Saúde, da Agricultura, do Meio Ambiente e até do Ministério da Defesa”, apontou.



Durigon destacou a que quantidade de Influenza que chega ao país é uma enormidade. “Só posso pensar que ‘Deus é brasileiro’. Estamos em risco constante e por isso temos que monitorar o tempo todo, com recursos e financiamento. O que garante a sanidade da avicultura é toda a estrutura já empregada”, afirmou.


 

O médico veterinário da Coordenadoria de Defesa Agropecuária Luciano Lagatta abordou na continuidade do evento os fatores de risco para Influenza Aviária e Doença de Newcastle representado pelas aves de fundo de quintal.

 

Segundo ele, as aves de fundo de quintal são potenciais reservatórios de doenças e têm sido objeto de atenção sob a ótica epidemiológica.  “Elas têm maior susceptibilidade às infecções virais e contato contínuo com aves de vida livre e ausência de medidas de biosseguridade, por isso o alto risco”, disse.



Ele destacou que no Brasil, a IA de alta patogenicidade nunca foi registrada e o último foco da DNC ocorreu em aves de fundo de quintal em 2006.  “A vigilância epidemiológica, que fornece os dados necessários para análise de riscos, é fundamental”, explicou.  


 

O Diretor corporativo de agropecuária na JBS Foods Osório Dalbello abordou em sua participação os impactos econômicos de surtos de IA e DNC.  De acordo com ele, é uma tarefa extremamente complexa traçar este cenário. Este é um exercício de predição e não tem referência prévia de sustentação, dadas as particularidades do Brasil no mercado internacional. “Seriam registradas perdas econômicas causadas pela eliminação das aves, abate fora do padrão de peso vivo, gastos com prevenção e desinfecção, perdas com estocagem de carne, na qualidade da produção, empregos e renda e uma inestimável perda no valor de mercado”, apontou.



O Médico Veterinário Paulo Pelissaro, da Seara, trouxe os programas de prevenção implementados pelas empresas brasileiras. Ele abriu sua apresentação falando sobre o porquê o Brasil continua sendo o maior exportador de carne de aves do mundo. “O país continua sendo um dos principais atores do mercado avícola em nível mundial pelos ajustes às regras da Organização Mundial de Saúde Animal, pelos acordos bilaterais ou multilaterais; pela oferta e demanda; seu custo competitivo e qualidade intrínseca dos produtos e fundamentalmente pelo status sanitário”, afirmou.



E se ocorrer IA ou DN no Brasil? Pelissaro questionou e traçou um cenário. “Será preciso erradicar, posteriormente a um diagnóstico imediato, com ação no foco e ações para não disseminar. E em um segundo quadro, mais grave, se estas doenças se tornam endêmica, o Brasil fica proibido de exportar, com consequências irreversíveis para toda a cadeia produtiva”, afirmou.



A consultora Nelva Grando apresentou os métodos de depopulação e destinação de aves mortas. Segundo ela o despovoamento é um método pelo qual um grande número de animais doentes ou em sofrimento são mortos de forma rápida e eficiente, com o máximo bem-estar. “Ele pode ser praticado durante uma emergência de saúde animal, com um grande surto de doença para eliminar o sofrimento animal ou ajudar na prevenção ou mitigação da propagação da doença através da eliminação de infectados, expostos ou animais potencialmente expostos”, explicou.



Ela apontou que as atividades deverão ser iniciadas com os animais infectados e depois estendidas aos animais de contato. “E após essa ação, uma das formas mais seguras de destruição das aves é enterrá-las dentro do perímetro da propriedade”, disse. Porém, segundo ela, o melhor método para a contenção de um vírus é a incineração. “Ele é o mais seguro, não atrai roedores, porém, ele oferece um custo alto ao produtor”, explicou.

 

O coordenador-geral de Planejamento e Avaliação Zoosanitária do Ministério da Agricultura Ronaldo Teixeira debateu o Programa Integrado de Vigilância de IA e DNC.  


 

Segundo ele, a vigilância visa demonstrar a ausência de infecção ou infestação, determinar a presença ou distribuição de infecção ou infestação ou detectar o mais precocemente possível doenças exóticas ou doenças emergentes.  “O plano de vigilância de IA e DNC tem o propósito de evitar perdas e reduzir impactos econômicos e sociais por eventuais ocorrências das doenças, considerando a situação atual do país e região em relação às doenças”, afirmou. “Do ponto de vista da saúde pública, ele prevê o monitoramento da ocorrência de cepas virais da IA para subsidiar ações de saúde pública no contexto da Saúde Única.

 

Na sequência, o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal Ricardo Santin realizou a palestra “Influenza Aviária - Contingência e Gerenciamento de Crise”. Ele destacou que o Brasil é o único grande produtor e exportador de produtos avícolas que nunca registrou Influenza Aviária.

 

Segundo ele, o mundo está sendo desafiado por essa doença e o Brasil precisa se manter alerta.  “A prevenção é a chave, não permitindo a entrada de pessoas estranhas em sua granja, desinfetando os veículos ao entrarem na granja e sempre trocar calçados e roupas antes de entrar na granja”, disse.



Santin destacou ainda a criação do Grupo Especial de Prevenção à Influenza Aviária, o GEPIA, com representantes de toda a cadeia, linkada com o Conselho da ABPA.  Ele explicou que o Grupo realiza um levantamento dos banimentos com relação à notificação dos países, levantamento dos documentos normativos, revisão dos manuais de biosseguridade, levantamento dos valores para emergência em Fundos Estaduais, comunicação e imagem (realização de campanha em andamento e material educacional), cotação e logística de kits de EPI, interface com a coordenação de Emergências Zoosanitárias, renegociação de CSIs (alterar "país livre" para país, zona, compartimento), treinamento e vacinas. "Esse não é um trabalho só do governo, não é só do dono da granja ou da agroindústria. Este é um trabalho de responsabilidade de todos os atores envolvidos na cadeia avícola", afirmou Ricardo Santin.

 

Sobre a FACTA
 

A FACTA é uma organização civil sem fins lucrativos, fundada em 10 de agosto de 1989, incorporando e ampliando atividades técnicas e científicas originalmente desenvolvidas por sua idealizadora e criadora, a APINCO – Associação Brasileira dos Produtores de Pintos de Corte.




LEIA TAMBÉM:



Avicultura: A importância da qualidade da água no desempenho dos lotes




Avicultura: Preço do frango vivo e da carne apresentam queda neste início de mês





Com preço do milho alcançando R$100/sc, não seria hora de buscar outra fonte de energia para as rações?





Preço do frango vivo recua sendo comercializado a R$4,90/kg na segunda semana do ano


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Disqus exige que voce se registre seu site. Voce pode fazer isso a partir de Registre-se
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp