11/04/2022 às 11h23min - Atualizada em 11/04/2022 às 11h23min

Família Vizula: um caso de superação e sucesso com a produção de cafés especiais

Os cafeicultores começaram a torrar e moer o café manualmente e iniciaram a venda do “Café Vizula” de porta em porta no município.

Andreia Ferreira
Incaper - ES
-

A história da família Vizula começou no município de Apiacá, em 1976, quando ainda eram meeiros em uma propriedade de café na comunidade de Limão. Os cafeicultores Rafael Vizula e Angela Maria Puppim Vizula, com muito esforço e dedicação, realizaram o sonho de adquirir uma pequena propriedade em Alto Jardim, situada no município de Bom Jesus do Norte, onde chegaram por volta do ano 2000. 

 

Com o passar dos anos, ocorreu a sucessão familiar e os filhos João Batista Puppim Vizula, e José Rafael Puppim Vizula permaneceram cultivando café e se interessaram em agregar valor ao produto a partir do beneficiamento dos grãos.



Os cafeicultores começaram a torrar e moer o café manualmente e iniciaram a venda de porta em porta no município. Com o aumento das vendas, construíram uma pequena agroindústria familiar e criaram uma marca para o produto que leva o nome da família: “Café Vizula”.

 

No ano de 2018, a propriedade, que leva o nome de Sítio Ventania, com a orientação técnica do Incaper, passou a produzir cafés especiais da espécie Arábica, com pontuações acima de 80 pontos. A produção de cafés especiais foi incentivada principalmente pelo cafeicultor João Batista Puppim Vizula. No ano de 2020, foi iniciada também a produção de cafés especiais da espécie Conilon, com um lote de 05 sacas que atingiu 87 pontos.

 

A produtora de café, Geane Vizula, é quem faz os processos de torra, moagem e embalamento do café. “Ao longo dos anos o Incaper nos auxiliou com muitas dicas, e o principal, a amizade que adquirimos com as visitas”, disse. 


 

De acordo com o extensionista do escritório local de Bom Jesus do Norte, Guilherme Miranda, a família sempre buscou aumentar a produção, mas de maneira sustentável, "com uma inquietude que é natural da juventude que busca fazer algo diferente”.



“A propriedade da família Vizula está localizada a 650 metros de altitude, considerada baixa para produzir cafés com pontuações elevadas. Mas esses cafeicultores são persistentes e empenhados. Eles aplicam as técnicas e tecnologias orientadas e conseguem alcançar o sucesso com a produção de bons cafés. Essa superação da família é motivo de muito orgulho para os técnicos do Incaper de Bom Jesus do Norte que acompanham a família Vizula”, completou Guilherme Miranda. 


 

A venda do “Café Vizula”, que começou de porta em porta, ganhou maior proporção com a comercialização em hortifrútis e mercados locais. Hoje em dia, o café da família é um dos mais comercializados nos municípios de Apiacá, Bom Jesus do Norte e São José do Calçado. Atualmente, a família produz quatro tipos de cafés, sendo eles: Café Tradicional, Café Extra Forte, Café Arábica Especial e Café Conilon Especial. 

 

Durante o processo de evolução no trabalho da família, o Incaper atuou por meio de ações como: assistência técnica especializada, realizações de cursos, preservação de nascentes, análises de solo, manejo de adubação e fitossanitário das lavouras, utilização de novas variedades mais produtivas e novos métodos de manejo da lavoura (poda).

 

“O Incaper está presente em nossa família há muitos anos, desde a época da comunidade do Limão, em Apiacá. O trabalho com a minha família começou com o meu pai, quando o nome da instituição ainda era Emater. Sempre nos deram muito apoio e uma força muito grande para alavancar nossa produção. A gente começou com processos manuais, mas sempre trabalhando com foco na qualidade. Hoje temos equipamentos que dão suporte ao trabalho e continuamos seguindo com o auxílio dos técnicos do Incaper”, destacou João. 




LEIA TAMBÉM:



Brasil exportou 3,4 milhões de sacas de café em fevereiro de 2022




Arábica e robusta tem leve alta neste início de fevereiro





Estados Unidos lideram importações dos Cafés do Brasil com a compra de 7,78 milhões de sacas





Projeto do Mapa, IICA e CNC quer remunerar o cafeicultor que preservar nascentes e córregos na propriedade




Café: Volume de produção da próxima safra gera divergências entre setor produtivo e Conab


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Disqus exige que voce se registre seu site. Voce pode fazer isso a partir de Registre-se
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp