26/03/2022 às 11h52min - Atualizada em 26/03/2022 às 11h52min

Projeto da UEL estuda uso de nanobiopesticidas para agricultura sustentável

Produto pode fazer grande diferença na relação com o meio ambiente. Diferencial está no uso de pesticidas à base de polímeros naturais, contendo fungicidas ou inseticidas de origem botânica.

Redação com assessoria
UEL / AEN PR
-

Cápsulas milhões de vezes menor do que um milímetro, como as utilizadas em medicamentos, formadas por estrutura que reveste um núcleo e libera a substância interna lentamente. Esse tipo de tecnologia tem sido usado nas mais diversas situações, incluindo a agricultura, e será aplicada no projeto “Nanobiopesticidas e saúde dos peixes: bases para agricultura mais sustentável”, do Centro de Ciências Biológicas (CCB), da Universidade Estadual de Londrina (UEL).


O produto pode fazer grande diferença na relação com o meio ambiente porque utiliza menor quantidade de pesticida, como explica a professora Cláudia Bueno dos Reis Martinez, do Departamento de Ciências Fisiológicas, coordenadora do Laboratório de Ecofisiologia Animal (LEFA) e uma das responsáveis pelo projeto.


A preocupação da professora é com a contaminação da água e dos animais aquáticos devido à utilização de pesticidas agrícolas. A água da chuva carrega toda a substância e contamina os peixes, por exemplo. “A ideia é ter alternativa para uma agricultura sustentável. O foco é buscar produtos que possam ser utilizados com mais segurança e que vão proteger o ambiente”, afirma Claudia.


O diferencial da pesquisa reside no uso de pesticidas à base de polímeros naturais, contendo fungicidas ou inseticidas de origem botânica. O produto é desenvolvido em parceria com pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (UNESP/Sorocaba). Um estudo comparativo também será conduzido sobre os efeitos de fungicidas convencionais para uma espécie de peixe nativa (Prochilodus lineatus). A comparação será feita a partir da avaliação dos peixes no Laboratório de Ecofisiologia Animal, em ambiente controlado, como o aquário.

 

A hipótese levantada, segundo Claudia Martinez, é que o nanobiopesticida é menos poluente e apresenta menor risco ao ambiente aquático. “Usa menos produto com ação mais duradoura, por isso é mais eficiente”, afirma. Para condução dos estudos, o projeto recebeu recentemente investimento de R$ 25 mil da Fundação Araucária, do Programa Institucional de Pesquisa Básica e Aplicada da UEL (PBA) – 2021.


PESQUISADORES 

O projeto envolve diversos pesquisadores: Juliana Delatim Simonato Rocha, professora do Departamento de Ciências Fisiológicas e também coordenadora do projeto; Paulo Cesar Meletti, professor do Departamento de Ciências Fisiológicas; Wagner Ezequiel Risso, técnico do Laboratório de Ecofisiologia Animal (LEFA); Carlos Eduardo Delfino Vieira, professor da Universidade Estadual do Norte  do Paraná (UENP – Cornélio Procópio); e Leonardo Fernandes Fraceto, professor da Universidade Estadual Paulista (UNESP – Sorocaba).

 

INTERDISCIPLINAR E INTERINSTITUCIONAL 

O projeto com nanocápsulas e peixes deriva de outro mais amplo, denominado “Nanobiopesticidas e saúde ambiental: bases para uma agricultura mais sustentável”. Financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), ele recebeu investimentos de R$ 246 mil para três anos de estudos. Sob a coordenação da professora Claudia, pesquisadores de diversas áreas e de universidades do país vão avaliar, sintetizar, caracterizar os nanopesticidas e estudar, além do ambiente aquático, seus possíveis efeitos em abelhas, organismos de solo e plantas.



 

LEIA TAMBÉM:


Começa a construção da maior fazenda vertical do mundo





Novo agro exige geração tecnificada e preparada para atender o crescimento do setor

 



Agronegócio se diferencia com IA e cibersegurança






Startup criada por estudantes da PUCPR quer ajudar agricultores com irrigação inteligente


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Disqus exige que voce se registre seu site. Voce pode fazer isso a partir de Registre-se
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp