16/03/2022 às 08h36min - Atualizada em 16/03/2022 às 08h36min

Cecafé apresenta a diversidade da cafeicultura brasileira para o mercado da Itália

O Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé) iniciou uma série de ações promocionais da imagem da cafeicultura brasileira, com foco em sustentabilidade, qualidade e diversidade, na Itália, quarto principal comprador do produto nacional no primeiro bimestre de 2022.

Redação com assessoria
CECAFÉ
-
O Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé) iniciou uma parceria com Embaixada do Brasil em Roma e o Museu do Café de Santos, para uma série de ações promocionais da imagem da cafeicultura brasileira, com foco em sustentabilidade, qualidade e diversidade, na Itália, quarto principal comprador do produto nacional no primeiro bimestre de 2022.
 

MILÃO


No dia 11 de março, o Diretor Geral do Cecafé, Marcos Matos, participou, em Milão, de uma mesa redonda organizada pela "Associazione Italia Brasile" em conjunto com a Embaixada, o Consulado Geral do Brasil em Milão e a Câmara de Comércio Ítalo-Brasileira de São Paulo (ITACALM).




Marcos destacou o papel do Cecafé na manutenção dos elevados níveis de embarques brasileiros mesmo em tempos de pandemia e crise logística global. "A aceitação dos italianos pelas informações do nosso setor e dos cafés brasileiros como um todo é muito grande, assim como o conhecimento que possuem. Expusemos nossas ações de respeito aos critérios ESG e isso contribuiu para melhorar, ainda mais, a imagem do produto na Itália", comenta. 




A Diretora Executiva do Museu do Café de Santos, Alessandra Almeida, também participou do evento e expôs que a instituição recebe cerca de 350 mil visitantes anualmente, além de mais de 100 mil visitas virtuais e de contar com aproximadamente 150 mil seguidores nas redes sociais.




Ela pontuou que, por meio de pesquisas, exposições, mostras temporárias, atividades culturais e educativas, o Museu do Café preserva e divulga a história e as tradições da cafeicultura brasileira, que são muito vinculadas à Itália graças ao intenso processo de imigração ocorrido nos séculos XIX e XX.




Alessandra destacou, também, o reposicionamento ao qual a instituição está se dedicando, que prevê a aproximação com todos os segmentos da cadeia produtiva do café na contemporaneidade e na internacionalização de suas ações.


RIMINI


Ontem, 14 de março, ambas instituições e os representantes da diplomacia nacional na Itália participaram, em Rimini, da "SIGEP The Dolce World Expo", principal feira B2B do mundo dedicada à indústria de foodservice de sobremesas e café, considerada ponto de encontro para troca de ideias, tendências e visões, apresentadas, anualmente, por especialistas e formadores de opinião do setor.




Em palestra ministrada no evento, Marcos Matos apresentou um panorama sobre a safra brasileira de café, investimentos em pesquisa e tecnologia e sustentabilidade ambiental e socioeconômica em toda a cadeia produtiva. "Evidenciamos todo o trabalho e o investimento que o Brasil tem feito, cada vez mais sustentavelmente e respeitando critérios ESG, e o desempenho das nossas exportações à Itália, com especial destaque para o avanço das vendas de cafés diferenciados, graças a nossas crescentes e constantes qualidade e sustentabilidade, o que chamou muita atenção dos presentes", revela.




O diretor também apresentou os projetos de Responsabilidade Social e Sustentabilidade (RSS) do Cecafé, como "Produtor Informado" e "Criança do Café na Escola"; detalhou o "Projeto Carbono", que está em fase final para a apresentação de resultados; as iniciativas sociais desenvolvidas em parceria com a Plataforma Global do Café e o Instituto Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo (InPACTO) focadas em boas práticas trabalhistas; e o programa "Café Seguro", com viés ambiental, mais especificamente voltado à questão dos limites de resíduos.




"Todas essas iniciativas externam a preocupação que temos com a governança socioambiental, sem nos esquecermos do lado econômico a todos os atores da cadeia produtiva, principalmente dos cafeicultores. Temos orgulho de o Brasil ser o maior repassador mundial do preço Free on Board aos produtores, com índices sempre superiores a 80% do valor recebido nas exportações", destaca.



FLORENÇA



Na próxima sexta-feira, 18 de março, na "Accademia del Caffè Espresso", em Fiesole, província de Florença, na Toscana, será realizado o "Brazilian Coffee Day", quando Cecafé, Embaixada e Museu irão inaugurar a exposição “Viaggio nella terra del caffé”, em evento que contará com seminários, como o "L'importanza del Museo per la conservazione della storia e per le riflessioni della società civile", com Alessandra Almeida, e o "Il caffè brasiliano e il consumo in Italia", com Marcos Matos; degustação de cafés especiais brasileiros e apresentação musical de chorinho.




A curadoria foca na colaboração histórica da imigração italiana para o desenvolvimento da cafeicultura no Brasil, apresentando um panorama sobre qualidade, sustentabilidade e desenvolvimento humano no agronegócio café. A exposição é resultado da bem-sucedida mostra realizada, em 2021, na Embaixada do Brasil em Roma, como atividade promocional em outubro, mês do Dia Internacional do Café.




Marcos Matos considera que esses trabalhos de promoção realizados na Itália, em parceria com instituições e Governo do Brasil, são extremamente relevantes para valorizar ainda mais a rica história da cafeicultura do país e estreitar os laços entre as duas nações. "Juntos, Cecafé, Embaixada do Brasil e Museu do Café, em ações como essas, valorizam nossa cultura, a qualidade, a diversidade e a sustentabilidade dos cafés nacionais. Estamos valorizando uma história que permanece sendo escrita", conclui.



 

LEIA TAMBÉM:



Guia de transações de cafés especiais apresenta os aumentos de preços no mercado mundial




Café arábica chega a R$1.555,00 a saca e registra novo recorde de preço, robusta acompanha alta em fevereiro




Arábica e robusta tem leve alta neste início de fevereiro





Estados Unidos lideram importações dos Cafés do Brasil com a compra de 7,78 milhões de sacas





Projeto do Mapa, IICA e CNC quer remunerar o cafeicultor que preservar nascentes e córregos na propriedade




Café: Volume de produção da próxima safra gera divergências entre setor produtivo e Conab


 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Disqus exige que voce se registre seu site. Voce pode fazer isso a partir de Registre-se
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp