11/03/2022 às 09h38min - Atualizada em 11/03/2022 às 09h38min

ABCS, Associações estaduais e MAPA reúnem recursos para a realização da 2ª etapa da campanha de vacinação contra PSC em Alagoas

Completar o esquema vacinal é fundamental para quebrar o ciclo da doença e impulsionar o Plano Brasil Livre de PSC para os demais estados da Zona não Livre da doença

Assessoria
ABCS
-

A Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS), suas afiliadas e o MAPA, estiveram empenhadas, no início deste ano, para reunir recursos para a realização da segunda etapa do Plano Piloto de Vacinação contra Peste Suína Clássica (PSC) em Alagoas.



Iniciado no ano anterior, o Programa Piloto que faz parte do Plano Estratégico Brasil livre de Peste Suína Clássica, coordenado pelo governo federal, imunizou de forma gratuita 112 mil suínos em mais de 7 mil propriedades de todo o estado. 


 

A Diretora Técnica da ABCS, Charli Ludtke, explica que o Programa Piloto em Alagoas visa testar a melhor forma de execução da campanha de vacinação para replicar nos 11 estados que compõem a Zona não Livre de PSC.



“Por meio da vacinação dos suínos iremos acabar com a circulação viral, promover a saúde do rebanho e a sustentação do mercado nacional e internacional. Essa é uma responsabilidade compartilhada entre os líderes da cadeia suinícola, como o serviço veterinário oficial, associações, fundos de defesa sanitária, agroindústrias e demais instituições que representam o Setor.”



Assim, o estado de Alagoas foi escolhido para a implementação do projeto piloto, pelo tamanho do rebanho e de sua área geográfica, além de ser um estado que faz divisa entre as Zonas Livres e Zona não Livre de PSC. Ela reitera que, “Para uma boa cobertura do rebanho e eficácia da vacina, é de vital importância realizar a segunda etapa da vacinação, para garantir a imunidade dos suínos e a eliminação viral, e abrirmos caminho para vacinar também os demais estados da ZnL, visando tornar o Brasil livre de PSC.” 




Na execução da 1ª etapa houve o aporte financeiro de mais de 1 milhão, por meio da ABPA, ABCS e suas afiliadas. Já para a 2ª etapa da Campanha houve grande mobilização e apoio de diversas instituições que doaram recursos financeiros para a campanha não parar, como os Fundos de Defesa Agropecuária dos estados de Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Pará, Tocantins, a MSD/Allflex, Zoetis, a Associação Sul-matogrossense de Suinocultores (Asumas), o Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados no Estado de Santa Catarina (Sindicarnes), a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB),  o Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (OCEPAR-PR), a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA/SENAR) e a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), levantando o aporte financeiro de mais de 900 mil reais necessários para iniciar a segunda etapa do Plano ainda no primeiro trimestre deste ano. 






 

A doença 

 

A PSC é uma doença extremamente contagiosa entre os suínos e que causa perdas direta e indiretas para a suinocultura nacional. Não acomete humanos, e o ciclo da doença sem mantem nos suínos domésticos ou nos asselvajados infectados.



Na maioria dos casos a doença se caracteriza por causar infertilidade, abortos, natimortos, infecções oro-nasais e lesões hemorrágicas. A transmissão se dá pelo contato entre os suínos, alimentos e equipamentos contaminados.



A queda de produtividade e mortalidade são prejuízos diretos causados pela doença, além dos custos dos programas de controle e erradicação, e as restrições de acesso ao mercado de suínos nacional e internacional quando originários de áreas acometidas.



Atualmente o Brasil está dividido em 16 estados na Zona Livre: Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Acre, Amazonas em parte, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe, São Paulo, Tocantins e o Distrito Federal.



E outros 11 estados na Zona Não Livre: constituída pelos estados de Alagoas, Amapá, Amazonas em parte, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Roraima.



E somente os estados que compõem a Zona Livre conseguem exportar. Tornar o Brasil livre da doença, com certeza é um passo fundamental para a suinocultura brasileira.



Intuições que contribuíram para a execução da 2ª fase da campanha:







 

LEIA TAMBÉM:



Suinocultura: preço do suíno vivo chega a R$6,07/kg em MG e R$5,39/kg no PR




Custo de produção dos suínos tem alta de 6,78%





Suinocultura: Com baixo preço da carne e alta no preço do milho a relação de troca já é a pior da história





Suinocultores de Santa Catarina e Rio Grande do Sul tem prejuízo de R$300,00 por animal vendido





Suinocultores de Mato Grosso tem prejuízo de até R$ 180 por animal vendido



 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Disqus exige que voce se registre seu site. Voce pode fazer isso a partir de Registre-se
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp