02/03/2022 às 14h28min - Atualizada em 02/03/2022 às 14h28min

Lúpulo é excelente oportunidade de diversificação para agricultores já que industria da cerveja importa 95% do produto utilizado

O Brasil importa 3.600 toneladas do produto e a produção nacional é de apenas 50 toneladas, SC maior produtor nacional de lúpulo deve colher 10 toneladas

Gisele Dias
Epagri SC
-
Um dos principais ingredientes da cerveja, o lúpulo vem ganhando espaço em Santa Catarina: segundo dados da Associação Brasileira de Produtores de Lúpulo (Aprolúpulo), sediada em Lages, a safra deste ano – que está em fase de colheita até meados de março – prevê uma produção estadual de 10 toneladas. 



Esses números são possíveis por meio de parceria entre a Epagri, Ambev, Udesc e produtores rurais que incluem fornecimento de mudas, assistência técnica para conduzir o cultivo, garantia de compra da produção e industrialização do produto. Esses esforços conjuntos podem levar o estado a produzir todos os insumos para a fabricação de cervejas 100% catarinenses.



O lúpulo contém uma substância chamada lupulina, que confere o amargor e o aroma da bebida. A planta é uma trepadeira da família Cannabaceae que gosta de frio. Por conta dessas características, a cultura encontrou condições favoráveis no Planalto Serrano de Santa Catarina. Segundo a Aprolúpulo, atualmente 20 propriedades rurais no estado cultivam o lúpulo em uma área de cerca de 20 hectares.  



No Brasil, a cultura ocupa cerca de 60 hectares e é conduzida por 180 produtores. Marcos Stefanes, presidente da Aprolúpulo, comenta que Santa Catarina é o estado que tem maior percentual de produtores: 27%, seguido de Rio Grande do Sul com 22%, São Paulo com 18%, Paraná com 7%, Minas Gerais com 6% e Rio de Janeiro com 5%. 


 



Foto: Colheita do lúpulo em Santa Catarina segue até meados de março / Epagri SC

 
O mercado de cervejas artesanais vem se expandindo no Brasil e a proliferação de microcervejarias fez muito cervejeiro repensar a compra de insumos para a produção da bebida. Só em 2019, o Brasil importou 3.600 toneladas de lúpulo, de acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Mas, há cerca de quatro anos, a necessidade de alternativas à importação levou alguns produtores nacionais a iniciar o cultivo do insumo. 

 

A cultura do lúpulo é perene, com um ciclo de aproximadamente de 15 anos. A planta tem capacidade de crescer em torno de 4,5 a 6 metros. Segundo a engenheira-agrônoma da Ambev, Mariana Mendes Fagherazzi, a maturidade da planta acontece no quinto ano, e cada uma chega a produzir 600g de lúpulo. Um hectare com plantas maduras pode atingir uma produção de 1 tonelada de lúpulo.

 

O Brasil, apesar de ser o terceiro maior produtor de cerveja do mundo, atrás apenas da China e Estados Unidos, importa praticamente 100% do lúpulo utilizado nas cervejas. “Isso é uma grande oportunidade de mercado para os agricultores familiares catarinenses, já é uma cultura de alto valor agregado e pode ser produzida em pequenas áreas”, diz extensionista rural de Lages, Pedro Donizete de Souza, que acompanha os produtores do município.




Foto: Dentro do cone do lúpulo está a lupulina (o pó amarelo), que dá o amargor e o aroma à cerveja / Epagri SC


 

A Epagri tem atuado em duas frentes para fomentar o desenvolvimento do cultivo de lúpulo em Santa Catarina: na pesquisa e na extensão rural. Uma das pesquisas está sendo desenvolvida na Estação Experimental de São Joaquim (EESJ), coordenada pelo pesquisador Felipe Augusto Moretti Ferreira Pinto em projeto que foi aprovado pelo edital universal da Fapesc.



Nesse projeto as principais etapas consistem em verificar a adaptação de variedades de lúpulo em São Joaquim e Lages, a influência de diferentes sistemas de condução na intensidade de doenças e pragas, reação das variedades aos patógenos, controle das doenças, elaboração de cervejas e análise sensorial com as variedades de lúpulo e avaliação da qualidade dos cones de lúpulo. Além a disso a EESJ também disponibiliza aos produtores o serviço de diagnose de doenças e pragas na cultura.





Foto: Planta tem capacidade de crescer em torno de 4,5 a 6 metros / Epagri SC

 

Outra pesquisa diz respeito à análise de risco climático, coordenado pela pesquisadora da Epagri/Ciram, Cristina Pandolfo, e que terá os primeiros resultados apresentados no dia 25 de fevereiro, durante o 2º Festival Nacional da Cultura do Lúpulo, em Curitibanos.



A pesquisa quantifica, para cada espécie e cada local de plantio, o risco associado aos eventos climáticos considerados críticos para o desenvolvimento das lavouras. Esses dados compõem um documento importante para que o agricultor familiar tenha acesso a financiamentos do Pronaf e na contratação do Proagro.



Os dados são preliminares e o refinamento será dado à medida que os resultados de experimentos e cultivos comerciais forem sendo obtidos em Santa Catarina. Mesmo assim, a pesquisadora afirma que a cultura tem potencialidade no estado do ponto de vista climático.





Foto: A ideia é que o estado produza todos os insumos para a fabricação de cervejas 100% catarinenses / Epagri-SC



Em outra frente, a extensão rural da Epagri, com a supervisão das gerências regionais de São Joaquim e de Lages, fornecem suporte técnico aos produtores que recebem mudas de lúpulo provenientes da Fazenda Santa Catarina, da Ambev. Esta empresa cervejeira possui um viveiro de lúpulo em Lages com capacidade de produção de 60 mil mudas por ano, que são doadas a agricultores familiares da região.



O projeto da Fazenda Santa Catarina conta ainda com uma lavoura experimental de 1 hectare destinada a testes de manejo. A empresa planeja uma unidade de beneficiamento da planta e uma planta piloto para o processamento de lúpulo, onde as plantas fornecidas pelos produtores serão beneficiadas e transformadas em pellets prontos para uso.



"Plantar o lúpulo não é suficiente. Existe uma longa cadeia a ser desenvolvida, desde manejo, passando por equipamentos, até o processo de comercialização, e entendemos que a Ambev auxiliar nesta cadeia produtiva”, diz Felipe Sommer, coordenador do Projeto fazenda Santa Catarina.



 






Mais informações:

Felipe Augusto Moretti Ferreira Pinto,  pesquisador Estação Experimental em São Joaquim, coordenador da pesquisa com lúpulo na Epagri, fone (49) 3233-8415

Pedro Donizete de Souza, extensionista rural em Lages, fone (49) 99155-6530

Marcos Stefanes, presidente da Aprolúpulo, fone (49) 99105-3451


LEIA TAMBÉM:


Casal de agricultores abrem Empório e Café Colonial e oferecem comida com memória e uma experiência do mundo rural




Paraná lança Rota do Queijo, que vai ampliar possibilidades de negócios para agricultura familiar




São Roque, destino perfeito para as férias de verão!




Turismo rural e agroindústria familiar encaminham sucessão rural




Conheça a cidade de Nova Nazaré, uma nova fronteira para expansão do agronegócio


 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Disqus exige que voce se registre seu site. Voce pode fazer isso a partir de Registre-se
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp