24/02/2022 às 09h17min - Atualizada em 24/02/2022 às 09h17min

A bola de vez é o Glifosato, novamente o produtor fica sem garantia de entrega de herbicidas

A Bayer, líder do produto, emitiu nota nesta semana colocando em dúvida se entregará ou não o glifosato, o que põe em risco a produção de alimentos no mundo, especialmente no Brasil.

Redação com assessoria
Aprosoja Brasil
-

Desta vez a multinacional Bayer, líder do produto, emitiu nota nesta semana colocando em dúvida se entregará ou não o glifosato, o que põe em risco a produção de alimentos no mundo, especialmente no Brasil. O produtor, nesse cenário, se pergunta: será que teremos glifosato?

 

Depois de constatar o cancelamento de entregas de Diquat e Atrazina, agora o produtor de grãos também não tem garantias de que receberá o herbicida glifosato. Isto porque a Bayer emitiu nota dirigida ao mercado global de glifosato, relatando problemas mecânicos em uma das indústrias fornecedoras de matéria prima, e que isso poderia atrasar em três meses as entregas programadas.

 

É importante destacar que, além de líder na produção de glifosato, a gigante alemã também fornece matéria prima intermediária e o próprio produto técnico para diversas outras empresas de defensivos que vendem glifosato aos produtores.

 

Agora é preciso lançar mão de medidas emergenciais que reduzam os impactos da falta de herbicidas no mercado brasileiro. É preciso liberar a importação de herbicidas disponíveis no Mercosul, para estes produtos que têm registro no Brasil.

 

O governo tem que estar atento e acelerar o registro de empresas que possuem produto pronto para formular e entregar, mas que não têm registro no país, embora seja um defensivo genérico. Salientamos inclusive que muitas das fontes de matéria prima que essas empresas estão submetendo no pedido de registro já foram aprovadas para outras empresas pelos órgãos responsáveis.

 

E não é mais possível protelar a aprovação do PL de Defensivos, que resolveria a maioria dos problemas de racionalidade no sistema de registro desses produtos. Os senadores precisam se inteirar da importância da matéria e avaliarem com a seriedade e a atenção devida. Não podemos aguardar outra legislatura. A matéria está há mais de 20 anos em tramitação.

 

Por fim, as empresas precisam honrar com o cumprimento dos contratos e pedidos e, se não conseguirem, devem arcar com os prejuízos dos produtores, que já têm outros riscos de preço e clima afetando diretamente seus negócios, comprometendo as safras e impactando diretamente o preço dos alimentos para o consumidor final.



Fonte: Texto publicado no site da Aprosoja Brasil


 

LEIA TAMBÉM:



Sistema Antecipe diminui riscos de plantio para milho safrinha




Sistema de plantio direto na lavoura de mandioca aumenta em 50% a produtividade por hectare




Integrar lavoura, pecuária e floresta proporciona menores perdas de solo, água e nutrientes que no Plantio Direto



Uso de calagem aumenta a produtividade em até 15 sacas por hectare


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Disqus exige que voce se registre seu site. Voce pode fazer isso a partir de Registre-se
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp