10/02/2022 às 14h24min - Atualizada em 10/02/2022 às 14h24min

Brasil já tem condições de destravar diversos projetos de geração de energia hidráulica

A principal fonte geradora do país - mais de 65% da energia brasileira é gerada por fontes hidráulicas - pode trazer novas gerações em prazos curtos se o governo implantar regras federais para o setor

Assessoria
ABRAPCH
AEN PR
-

Quem defende essa posição é o atual presidente do conselho da ABRAPCH (Associação Brasileira de PCHs e CGHs), Pedro Dias, um dos mais reconhecidos especialistas em projetos ambientais do país. Ele diz que “enquanto o Brasil ficar preso a regras fragmentadas por Estados os investidores não conseguem definir uma ação de mercado que de fato traga novas gerações para o país em um prazo de tempo de acordo com a demanda na nação”. Para o especialista esse guarda-chuva federal - que está em votação – vai trazer segurança jurídica e regras únicas extremamente necessárias para que os processos de produção andem mais rápido num país com a dimensão do Brasil.

 

A ABRAPCH (Associação Brasileira de PCHs e CGHs) calcula que no longo prazo, o Brasil tem potencial para construir 213 novas CGHs e capacidade de gerar 846 MW, e 1.048 PCHs com capacidade geradora de 13.750 MW de energia. Esse mercado está pronto para crescer 30% nos próximos 3 anos sobre o parque gerador instalado atualmente, ou seja, de 6.256MW (5.440MW de PCHs e 816MW de CGHs) para 8.132MW.

 

Isso equivale a 1.877MW de novas usinas, investimento de mais de R$15 bilhões, geração de mais de 150.000 empregos e atendimento ao consumo de mais de 4,5 milhões de residências.

 

Pedro Dias define o caminho para chegar a esses números com 3 apontamentos:


- o primeiro é a resolução dos entraves que travam a aprovação ambiental, encarecem artificialmente as PCHs e CGHs e as limita a volumes irrisórios para contratação em leilões regulados;


- o segundo o nivelamento da carga fiscal da cadeia produtiva das pequenas hidrelétricas, que não desfrutam dos R$124 bilhões de isenções dadas atualmente para a indústria do petróleo, e é de 38% a 55% superior às das cadeias produtivas das eólicas e solares, que tem conteúdo importado entre 20% e 80% (as PCHs e CGHs são 100% nacionais);


- e o terceiro a correta valoração dos atributos das PCHs e CGHs.


 

No país, estão em construção 30 PCHs e 5 CGHs, com 24.439 e 1.336 novos empregos respectivamente. As PCHs estão recebendo investimento de R$ 3,2 bilhões e vão atender 1.018.293 residências com geração de 407 MW de energia. No caso das CGHs o investimento é de R$ 116,9 milhões.


 


LEIA TAMBÉM:



Governo vai lançar em março o programa "Metano Zero" para transformar resíduos em biocombustível
 

 


Produtores reduzem custos com implantação de energia solar





Avicultores catarinenses apresentam projeto inovador de produção de energia fotovoltaica na COP 26 em Glasgow, Escócia





Condomínio de agroenergia promovem economia para pequenas propriedades rurais
 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Disqus exige que voce se registre seu site. Voce pode fazer isso a partir de Registre-se
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp