16/12/2021 às 15h06min - Atualizada em 16/12/2021 às 15h06min

ABPA projeta desempenho positivo para avicultura e suinocultura em 2021 e 2022

Setor deve alcançar novos patamares em produção, consumo per capita e exportações de aves, ovos e de suínos

Assessoria
ABPA
-

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) projeta novos recordes de produção, exportações e consumo para a avicultura e a suinocultura do Brasil para 2021 e 2022. Os números foram divulgados em coletiva online de imprensa realizada hoje.  

Com relação à CARNE DE FRANGO, a PRODUÇÃO deverá alcançar neste ano até 14,350 milhões de toneladas, número 3,5% superior ao registrado no ano passado, com 13,850 milhões de toneladas. Já o volume projetado para 2022 poderá chegar até 14,900 milhões de toneladas, volume 4% maior em relação a 2021. 

Em EXPORTAÇÕES, as projeções apontam para embarques totais neste ano de até 4,580 milhões de toneladas, número 8% superior ao alcançado em 2020, com 4,231 milhões de toneladas. Em 2022, as vendas internacionais poderão chegar a 4,750 milhões de toneladas, volume que supera em 5% as exportações projetadas para 2021. 

Com relação ao CONSUMO PER CAPITA, o índice deverá alcançar este ano 46 quilos per capita, número 2% maior que o consumo registrado em 2020, com 45,27 quilos. Já em 2022, o consumo per capita projetado alcança 48 quilos, número 4% maior que o esperado para 2021. 

Tanto a produção quanto às exportações projetadas para 2021 e 2022 são recordes históricos.



 

No caso de CARNE SUÍNA, a PRODUÇÃO deverá alcançar neste ano até 4,700 milhões de toneladas, número 6% superior ao registrado no ano passado, com 4,436 milhões de toneladas. Já o volume projetado para 2022 poderá chegar até 4,850 milhões de toneladas, volume 4% maior em relação a 2021. 

Em EXPORTAÇÕES, as projeções apontam para embarques totais neste ano de até 1,130 milhão de toneladas, número 10,5% superior ao alcançado em 2020, com 1,024 milhão de toneladas. Em 2022, as vendas internacionais poderão chegar a 1,200 milhão de toneladas, volume que supera em 7,5% as exportações projetadas para 2021. 

Com relação ao CONSUMO PER CAPITA, o índice deverá alcançar este ano 16,80 quilos per capita, número 5% maior que o consumo registrado em 2020, com 16,06 quilos. Já em 2022, o consumo per capita projetado alcança 17,30 quilos, número 3% maior que o esperado para 2021. 

Tanto a produção quanto às exportações e o consumo per capita projetados para 2021 e 2022 são recordes históricos. 



 

Por fim, para OVOS, a PRODUÇÃO deverá alcançar neste ano até 54,503 bilhões de unidades, número 1,8% superior ao registrado no ano passado, com 53,533 bilhões de unidades. Já o volume projetado para 2022 poderá chegar até 56,200 bilhões de toneladas, volume 3% maior em relação a 2021. 

Com relação ao CONSUMO PER CAPITA, o índice deverá alcançar este ano 255 unidades capita, número 1,55% maior que o consumo registrado em 2020, com 251 unidades. Já em 2022, o consumo per capita projetado alcança 262 unidades, número 2,5% maior que o esperado para 2021. 

Em EXPORTAÇÕES, as projeções apontam para embarques totais neste ano de 9,550 mil toneladas, número 52,9% superior ao alcançado em 2020, com 6,250 mil toneladas. Em 2022, as vendas internacionais poderão chegar a 10,200 mil toneladas, volume que supera em 6,5% as exportações projetadas para 2021. 

Tanto a produção quanto o consumo per capita projetados para 2021 e 2022 são recordes históricos.




 

De acordo com o presidente da ABPA, Ricardo Santin, o mercado interno foi influenciado pelos programas de auxílio à renda disponibilizados pelo Governo Federal em 2021, e que devem ser renovados agora com o Auxílio Brasil, além da retomada da economia. 

“A avaliação do comportamento do consumo em 2021 ao longo dos meses mostra o impacto destes programas de apoio para o acesso da população às proteínas de aves, suínos e ovos. Este é um dos fatores que deve manter os níveis de consumo no próximo ano”, avalia Santin.

No mercado internacional, diversos mercados devem influenciar o comportamento positivo das exportações brasileiras. 

No caso da carne suína, a demanda chinesa deverá ser renovada pela estabilização da produção interna que, conforme dados coletados junto a organizações internacionais de monitoramento de mercado, deve seguir aquém da demanda interna. Ao mesmo tempo, a abertura de uma cota de 100 mil toneladas para a Rússia, além da demanda de outros mercados — como o Vietnã e nações da América do Sul — serão primordiais para a sustentação das exportações. Neste contexto, o quadro global de focos de Peste Suína Africana deve continuar a impactar a demanda internacional pela proteína, assim como as exportações de algumas nações concorrentes.

Já para carne de frango, a situação sanitária internacional — com os impactos dos focos de Influenza Aviária no fluxo global de exportações — devem favorecer a posição brasileira como líder mundial das exportações do setor. Vale lembrar que o Brasil nunca registrou Influenza Aviária em seu território. 

Com relação aos custos de produção, há expectativa de estabilidade em relação aos preços do milho e da soja (que representam mais 70% dos custos), somados ao aumento de outros insumos que compõem o preço da carne de frango, de suínos e ovos, como o diesel, plásticos e outros. 

“Os indicadores de custos não apontam para quedas no curto prazo. Os preços internacionais do setor e para o consumidor interno não sinalizam queda em 2022.  Ainda assim, o consumo dos produtos deve seguir elevado, o que mostra a importância da manutenção de medidas para controle deste quadro de custos, como a desoneração da Folha de Pagamento e a liberação da importação de insumos de regiões extra-Mercosul. A resiliência da avicultura e da suinocultura foi fundamental para a manutenção da segurança alimentar do Brasil e das nações importadoras das nossas proteínas”, avalia Santin.


 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Disqus exige que voce se registre seu site. Voce pode fazer isso a partir de Registre-se
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp