15/12/2021 às 10h12min - Atualizada em 15/12/2021 às 10h12min

Pecuarista investe em sistema ILPF e se torna referência para agricultura familiar

Propriedade em Quirinópolis mantém diferentes atividades na mesma área de maneira consorciada: criação de gado leiteiro, lavoura de soja e cultivo de floresta

Redação com assessoria
Emater GO
-

Pecuarista leiteiro, João foi um dos primeiros agricultores familiares do País a introduzir o cultivo de florestas incorporado à criação de gado. O projeto teve início em 2018, em sua fazenda batizada de Dona Ana, em Quirinópolis, na Região Sul de Goiás. Ele já havia pesquisado sobre o assunto antes de a Emater e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Emater) entrarem em cena e transformarem a propriedade em um modelo para outros produtores da região. 

Todo o processo foi acompanhado pelas instituições, desde o fornecimento de mudas até o manejo das árvores. No ILPF, são mantidos diferentes sistemas produtivos (agrícolas, pecuários e florestais) em uma mesma área, de maneira consorciada, em sucessão ou rotação, para que haja benefício mútuo para todas as atividades ali praticadas.

Com 44 hectares, a propriedade de João encontrou no eucalipto a personagem principal para o povoamento florestal do espaço. Além da produção de leite, a lavoura de soja completa o ciclo produtivo do sistema. “As vacas entram no pasto e encontram sombra e conforto, então houve melhoria na produção. Também vimos os passarinhos voltarem”, relata. 

Associado ao ILPF, o pecuarista utiliza ainda o pastejo rotacionado, metodologia em que a área de pastagem é dividida em piquetes, que são submetidos a períodos alternados de pastejo e descanso. Hoje a fazenda produz cerca de 700 litros de leite por dia, alimento que se tornou a principal fonte de renda da família Batista.


 

 

Difusão

A Região Sul de Goiás vem se tornando referência em Integração Lavoura-Pecuária (ILP). Atualmente, 88 propriedades assistidas pela Emater aderiram a tecnologia em sete municípios: Quirinópolis (62), Caçu (08), Gouvelândia (07), Paranaiguara (05), Itajá (03), Inaciolândia (02) e Cachoeira Alta (01).

O objetivo agora, segundo o engenheiro agrônomo Jesus Olacir Fernandes, é difundir o cultivo de florestas integrado às atividades já exercidas pelos agricultores familiares. “Uma área que inicialmente era destinada somente à pecuária de leite pode passar a produzir simultaneamente madeira e grãos. Isso viabiliza uma produção maior e mais diversificada, de maneira econômica e ambientalmente sustentável”, explica.

O especialista esclarece ainda que com planejamento a tecnologia de ILPF pode ser aplicada em qualquer propriedade, de grande, médio ou pequeno porte. É necessário também avaliar as condições edafoclimáticas do local, ou seja, fatores como temperatura, relevo, litologia, umidade do ar, radiação e tipo de solo. “É um sistema mais complexo. Falamos que quando você implanta ILPF, você muda de prateleira”, atenta.

Por isso, ainda conforme o profissional, é fundamental que alguém habilitado assista todas as etapas da implementação. A Emater pode colaborar oferecendo técnicos habilitados, responsáveis por orientar quanto à escolha de mudas, adubação adequada e controle de pragas; e auxiliando na aquisição de equipamentos de precisão, por meio da elaboração de projetos de financiamento rural.
 

LEIA TAMBÉM:

Integrar lavoura, pecuária e floresta proporciona menores perdas de solo, água e nutrientes que no Plantio Direto
 


 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Disqus exige que voce se registre seu site. Voce pode fazer isso a partir de Registre-se
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp