24/09/2021 às 09h22min - Atualizada em 24/09/2021 às 09h22min

O grande redesenho de alimentos: regenerando a natureza a partir da economia circular

A indústria de alimentos foi identificada como o principal impulsionador da perda de biodiversidade e responsável por 1/3 das emissões globais de gases do efeito estufa

Assessoria
FUNDAÇÃO ELLEN MACARTHUR
Unsplash/Dan Meyers

-
Mais de 90% da perda de biodiversidade é devido à extração e processamento de recursos naturais - um resultado da economia degradante, esbanjadora e poluente de hoje. Além disso, 45% das emissões de gases de efeito estufa (GEE) vêm da forma como fabricamos e usamos produtos e alimentos. Muito desse impacto é causado pela indústria de alimentos, que foi identificada como a principal causa da perda de biodiversidade e responsável por um terço das emissões globais de GEE. No Brasil, as mudanças no uso da terra e dos agroalimentos representam 44% e 28% das emissões de GEE, respectivamente, de acordo com a CEPAL.

As principais marcas de alimentos e supermercados têm influência substancial no sistema alimentar: na UE e no Reino Unido, por exemplo, 40% das terras agrícolas fornecem ingredientes para as 10 principais marcas de alimentos e supermercados. Muitos desses atores são atualmente parte do problema, mas devido ao seu tamanho e influência, eles podem e precisam ser parte da solução.

O grande redesenho de alimentos: regenerando a natureza com a economia circular, relatório lançado pela Fundação Ellen MacArthur, demonstra como, por meio de uma nova abordagem baseada no design, as marcas de alimentos e os supermercados têm a oportunidade única de fazer com que os alimentos positivos para a natureza se tornem a norma geral. Ao repensar os ingredientes que usam e como são produzidos, eles podem oferecer escolhas que são melhores para os clientes, melhores para os agricultores e melhores para o clima.

A fundadora da Fundação e presidente do conselho de curadores, Dame Ellen MacArthur, afirma: “Assim como as roupas que vestimos e os produtos dos quais dependemos todos os dias, nossa comida é projetada. As empresas de alimentos orientam nossas escolhas sobre o que comemos. Desde o início, eles tomam decisões sobre o sabor, a aparência e o quão bom é para nós - e como isso afeta a natureza. Isso significa que as empresas alimentícias têm uma enorme oportunidade de fazer com que o consumo e produção de alimentos positivos para a natureza sejam predominantes."

Para concretizar esta oportunidade, as marcas de alimentos e supermercados precisam ir além do abastecimento "melhor" dos ingredientes atuais e, em vez disso, redesenhar seus portfólios de produtos. Ao combinar a seleção de quatro ingredientes principais e oportunidades de abastecimento, eles podem contribuir para um futuro net-zero e positivo para a natureza, que aumenta a lucratividade para os agricultores, enquanto aproveita as oportunidades de crescimento impulsionadas pela mudança na demanda do cliente:

  • Ingredientes diversos: Atualmente, apenas quatro culturas fornecem 60% das calorias consumidas mundialmente. Para aumentar a diversidade genética de safras e gado e, portanto, construir resiliência no fornecimento de alimentos, as empresas podem incorporar uma gama mais ampla de ingredientes em seus portfólios de produtos. Por exemplo, a propriedade culinária do adoçar pode ser derivada não apenas da cana-de-açúcar, beterraba sacarina ou milho, mas também de safras perenes, como tamareira, alfarroba e coco, e adoçantes naturais de alta intensidade, como monge e estévia. O mesmo raciocínio se aplica às variedades. O plantio de uma variedade de variedades de culturas, como a população de trigo, pode tornar a produção de trigo globalmente mais resistente a choques.
 
  • Ingredientes de menor impacto: ‘Ganhos rápidos’ estão disponíveis mudando de produtos de origem animal produzidos convencionalmente para alternativas de menor impacto, bem como de safras de maior impacto para safras de menor impacto. Muitas empresas já estão explorando o potencial de trocar as proteínas animais produzidas convencionalmente por proteínas vegetais. Este estudo mostra que a oportunidade vai muito além da diversificação das fontes de proteína. Por exemplo, dentro das geografias modeladas, substituir a farinha de trigo convencional por farinha de ervilha em um cereal matinal pode reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 40% e a perda de biodiversidade em 5%.
 
  • Ingredientes reciclados (ou "upcycled"): Com um terço dos alimentos sendo perdidos ou desperdiçados, as inovações de reciclagem oferecem oportunidades não apenas para evitar o envio de alimentos e subprodutos para aterros sanitários, mas também para transformá-los em ingredientes de alto valor. O mercado de alimentos reciclados de US$46 bilhões deve crescer 5% ao ano, possibilitado por novas tecnologias. As empresas de fast-moving consumer goods (FMCGs) e os varejistas podem dimensionar essas soluções para aproveitar as oportunidades de mercado em crescimento. O uso de ingredientes reciclados alivia a pressão sobre a terra e maximiza o retorno sobre a terra investida, energia e outros insumos usados para cultivar alimentos.
 
  • Ingredientes produzidos de forma regenerativa: Nos últimos anos, as empresas líderes reconheceram os benefícios ambientais da produção regenerativa. Pode levar a maiores rendimentos e a aumentos atraentes na lucratividade do agricultor. Não existe uma abordagem única para todos e as práticas utilizadas precisarão ser revistas ao longo do tempo. No entanto, para todos os ingredientes modelados, foi identificado um conjunto de práticas dependentes do contexto que, em média e após um período de transição, aumentam a produção total de alimentos e fornecem lucratividade adicional para os agricultores, enquanto geram benefícios significativos para o clima e a biodiversidade.
 

Marco Lambertini, Diretor Geral da WWF International, disse: “Nossa prosperidade e sobrevivência futuras dependem de um planeta vivo e de nossa capacidade de criar uma economia positiva para a natureza - uma que opere dentro dos limites do planeta e que nos ajude a reverter a perda da natureza e superar a crise do clima. O estudo ‘O grande redesenho de alimentos’ está alinhado com a abordagem do WWF para a transformação dos sistemas alimentares, mostrando claramente que a ação sistêmica na produção, consumo e perda e desperdício é necessária para alcançar um futuro verdadeiramente sustentável.”

A Dra. Gunhild Stordalen, fundador e presidente executivo da EAT, disse: “Este estudo é um tesouro. Ele aponta como as empresas e varejistas de bens de consumo em rápida evolução podem conduzir uma transformação real em nossos sistemas alimentares para o benefício das pessoas e do planeta, ganhando dinheiro na vanguarda da mudança enquanto eles estão fazendo isso. À medida que as nações ao redor do mundo, desencadeadas pela Cúpula dos Sistemas Alimentares da ONU deste ano, traçam seus caminhos para sistemas alimentares sustentáveis até 2030, este estudo oferece uma visão crítica de como as empresas de alimentos podem acelerar as mudanças urgentes que são necessárias para a produção de alimentos regenerativos e alimentos saudáveis para o consumo."

SOBRE A FUNDAÇÃO ELLEN MACARTHUR

A Fundação Ellen MacArthur, uma organização sem fins lucrativos com atuação global, desenvolve e promove a ideia de uma economia circular para enfrentar alguns dos principais desafios da atualidade, como a poluição por plásticos, as mudanças climáticas e a perda de biodiversidade. A Fundação trabalha com, e inspira, empresas, governos acadêmicos e instituições globalmente para mobilizar soluções sistêmicas em grande escala. Em uma economia circular, os modelos de negócio, produtos e materiais são projetados para aumentar o seu uso e reuso, criando assim uma economia em que não há desperdício e tudo tem valor. Fundamentada em uma transição para fontes de energia renovável e materiais renováveis, uma economia circular é distribuída, diversa e inclusiva.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se você é produtor rural, qual a sua principal atividade agrícola?

10.7%
6.0%
7.7%
3.4%
8.1%
29.9%
6.4%
11.5%
4.7%
2.6%
6.0%
3.0%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp