07/07/2020 às 08h39min - Atualizada em 31/07/2020 às 08h39min

Vale de Piracicaba: cidade de São Paulo busca se transformar em polo de inovação com o foco em agronegócio, o chamado “Negócio do Brasil”

Startups do agro que começaram em ambientes como “dormitório da universidade” ou na “garagem”, com poucos bens e muito talento

Redação com assessoria
Esalq
--
-

O mundo de startups possui diversos casos de empresas que iniciaram os trabalhos do zero, ou seja, de uma simples “garagem”, não possuíam nem um escritório formal. O “Silicon Valley” por exemplo, situado na Califórnia, é um caso clássico de ecossistema tecnológico que inspirou empresas deste tipo, como Facebook, Google, Microsoft e a HP, iniciada em 1938 no número 367 da Addison Avenue, em Palo Alto, por William Hewlett e David Packard. Uma placa fixada tem as seguintes palavras: “Local de nascimento do Vale do Silício”. A HP abrigou dois jovens funcionários iniciando a carreira: Steve Jobs, que tempos depois disse que ali foi a base do que seria a Apple, e seu futuro sócio, Steve Wozniak. Podemos relacionar a história e a mentalidade destas empresas com diversas Startups que também começaram dentro de uma “garagem”, através de uma ideia surgida em tempos de universidade ou a convivência junto a outros empreendedores visionários da tecnologia.



O Vale do Silício é uma das maiores aglomerações de empresas com domínio de tecnologia de ponta do mundo. Piracicaba, no interior do estado de São Paulo, busca seguir a mesma base, porém com o foco em outro ramo, o agronegócio, o chamado “Negócio do Brasil”. A história da cidade com o agro surgiu através da cana de açúcar e da visão de empreendedores como Luiz de Queiroz e de Mario Dedini. Atualmente, com o apoio de ambientes de geração de conhecimento, como universidades (Ex: ESALQ e CENA, da USP), centros de Pesquisa e ambientes de Inovação como a ESALQTec Incubadora Tecnológica, consolidou-se o “Agtech Valley”, ou seja, o Vale do Piracicaba, um movimento gerado com o objetivo de fortalecer a identificação da sociedade local com o ecossistema tecnológico, estimulando o desenvolvimento de pesquisas e inovações para a agricultura na região.  

O Vale do Piracicaba / Agtech Valley possui diversas Agtechs (Startups do Agro) de diferentes áreas, tendo a Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP) como centro de gravidade, de onde surge os chamados “spin offs” acadêmicos, alunos da graduação e pós-graduação com disposição de empreender e transformar a pesquisa em produtos e serviços inovadores. Vários casos de empresas residentes e associadas da ESALQTec surgiram desta maneira, iniciando do zero.

Confira a seguir o caminho de algumas que são referências tecnológicas nas suas áreas de atuação, @Tech, Pragas.com e Smart Agri&Smart Sensing, um caso que segue o mesmo caminho vitorioso, a Agromakers:
 
·@ Tech:

A ideia de iniciar uma startup surgiu em 2013, durante a formação na ESALQ/USP de Tiago Z. Albertini (CEO da empresa), seu foco era transformar a pesquisa acadêmica em soluções acessíveis ao mercado, principalmente do homem ao campo. Albertini já atuava em laboratórios de pesquisa e almejava parcerias, mas afirma que “foi quando passamos a fazer parte da ESALQTec que todo esse mundo de inovação e empreendedorismo aplicado se abriu”.

O mesmo destaca “Ficamos incubados na ESALQTec, na sala 8, por alguns anos e esse período nos trouxe muita noção de inovação, contatos, projetos e prospecção de recursos. Desenvolvemos nosso atual produto comercial lá dentro e mais pessoas passaram a fazer parte de nossa equipe”.

Após ser selecionado para o 1º ciclo de atividade do Pulse - Hub de Inovação da Raízen, a empresa começou a obter contatos mais fortes com os negócios, usufruindo de vendas, marketing e o auxílio do Pulse, promovendo seu crescimento no agro. Logo após a empresa participou de diversos eventos, adquirindo cada vez mais experiência, surgindo a ideia de abrir um novo espaço, o Animals HUB.  O hub é voltado a soluções do setor agropecuário, é onde a empresa está hoje – desenvolvendo produtos, projetos e potencializando o desenvolvimento das startups residentes/associadas.

O empreendedor relata a importância do Vale do Piracicaba na formação de sua startup: “Nutrimos um excelente relacionamento e respeito com todas as atividades e atores do AgTech Valley. Temos orgulho em levar toda essa história pelo caminho que trilhamos. Acreditamos que o crescimento e destaque de uma ou outra startup do vale só beneficie todos os agentes que aqui estão. Esse destaque traz investidores e outros pesquisadores, por exemplo”. 

Levando em consideração que o empreendedorismo não era um assunto “destaque” da época e as oportunidades eram poucas, a associada destaca que suas principais dificuldades eram conciliar o desenvolvimento da solução e estruturação da startup, participar de editais e eventos. Porém, o diferencial da empresa foi sua base em ciência e pesquisa, o ensino na universidade também foi de tamanha importância para Albertini: “a formação sólida, voltada à ciência nos garantiu subsídios para compreender o impacto que planejamos gerar na produção de tecnologia e alimento no mundo.

Futuramente, a @Tech tem como objetivo desenvolver uma nova tecnologia para o setor agropecuário. Atualmente, seu produto comercial é o BeefTrader - software que monitora e prediz o lucro do confinamento, permitindo transparência e descomplicando a tomada de decisão do pecuarista. A empresa possui uma excelente equipe de P,D&I que vem trabalhando no desenvolvimento de novas soluções que impactarão não só a pecuária, mas outras cadeias de proteína animal.


 
Agromakers:

O caminho para abrir uma startup, não é fácil, requer muita dedicação e conhecimento, foi assim que iniciou a trajetória de Leandro Fellet Lourenço e a Agromakers. O produtor iniciou suas atividades em 1997, na ESALQ/USP, concluindo sua formação em 2001. Após a graduação, Lourenço fez mestrado de 2002 a 2004, tendo experiência de trabalho em empresas de irrigação, multinacional e fazenda. “Em função dessa experiência desenvolvi essa ideia de solução para o que uma startup se desenvolve.”

 A Agromakers surgiu em função de uma demanda de experiência no mercado. O foco da empresa é produto de irrigação, visando que o produtor rural da época necessitava de uma tecnologia que apontasse corretamente a quantia necessária de irrigação. Devido ao mercado ainda não possuir a tecnologia necessária, Lourenço fez uma análise da maioria dos sensores, selecionando um que possuía 100x mais precisão, deixando o produtor rural mais confiante em sua tecnologia, “foi a partir dessa solução que surgiu a ideia de abrir uma startup”, afirma o diretor da Agromakers.

A dificuldade inicial da associada foi em relação ao hardware, sua estratégia agronômica, operacionalizar o sensor foi a “pedra” na trajetória da Agromakers, o ponto era desenvolver um hardware programado para realizar a leitura do sensor e comunicar diretamente com a internet, facilitando o trabalho. A primeira versão do equipamento coletava os dados dos sensores e armazenava num cartão de memória, esse cartão tinha de ser descarregado no computador para a análise de dados. Tendo em vista que isso atrasava as pesquisas, Lourenço decidiu criar uma nova tecnologia, que comunicava direto com a internet e os dados ficavam salvos na nuvem.

Lourenço relata que a principal dificuldade desta etapa foi: “interpretar as informações salvas na nuvem e a partir delas, desenvolver um software que usufruía do algoritmo para tomada de decisão, a solução foi realizar pesquisas e entrevistas, analisando as melhores opções de mercado, dessa forma, foi possível o desenvolvimento da tecnologia.”

Como se pode perceber, o produtor passou por diversos caminhos buscando a evolução e inovação, atualmente, a Agromakers está incubada na ESALQTec, realizando suas pesquisas e desenvolvimentos.

Lourenço destaca também a importância do “Vale do Piracicaba: “O ecossistema de desenvolvimento para a área agrícola em Piracicaba é muito importante, estar aqui para desenvolver o modelo de negócios é determinante, pois estamos próximos do vale: Garage, Raízen, Pulse. Diversos cursos foram oferecidos de forma gratuita por estes parceiros, fora os cursos e visitas na ESALQTec. Essa parceria, desenvolvimento de startup do Ag Tech Valley é considerável para o nosso crescimento, a ESALQTec também é um importante local para o desenvolvimento de testes, hoje buscamos parceiros visando complementar esse conhecimento para o produtor rural”.


 
Pragas.com:

Para transformar um projeto da universidade em  uma startup reconhecida no país requer muito estudo e preparação, foi assim que iniciou a trilha da Pragas.com de Cristiane Tibola, formada em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal de Pelotas – UFPEL. Em fase final de seu estágio na Embrapa do RS, em 2009, Tibola trabalhava com criações de insetos-praga, tendo em vista que algumas empresas dos EUA vendiam insetos (destacado em uma reportagem), a produtora pensou em transformar seu projeto científico em negócio.

Felizmente, Tibola obteve a resposta no dia seguinte: “quando conheci meu sócio, ele precisava de insetos para suas pesquisas, porém não estava encontrando áreas com infestação natural para implantar seus experimentos. Foi quando tivemos a ideia de produzir os insetos na Universidade e através de um projeto fornecer para que ele fizesse seus trabalhos. O resultado foi um sucesso e partir daí começamos a planejar a Pragas.com”.

O caminho não é fácil, foi necessária uma análise do mercado e perspectivas do setor, em 2014 se iniciou o projeto Pragas.com na ESALQTec, já no ano seguinte a startup realizava a produção dos organismos-alvo em laboratório, com foco em atender o mercado de pesquisa agrícola no Brasil. Em 2018 a empresa mudou para sua biofábrica implantada em Piracicaba, podendo ampliar suas atividades com fornecimento de serviços e de insumos biológicos para empresas de controle biológico, um trabalho pioneiro no Brasil.

Tibola afirma que as principais dificuldades foram: “a montanha russa de emoções que um empreendedor vive diariamente, as incertezas se teríamos sucesso ou não, se as escolhas foram as mais adequadas e a responsabilidade de estar à frente de uma empresa gerindo pessoas, processos e produtos, além obviamente de toda a responsabilidade de atender e entregar os melhores produtos e serviços aos nossos clientes”.  O diferencial da empresa foi o planejamento produzido e a gestão do negócio.

A empreendedora também destaca sua passagem pela ESALQTec e a importância do Vale do Piracicaba: “O suporte oferecido pela incubadora ESALQTec foi determinante para o sucesso da Pragas.com. Estamos inseridos em um ambiente que promove o empreendedorismo e a inovação no Agro, além de fazer parte do Vale do Piracicaba, um ecossistema de empresas de base tecnológica responsáveis por soluções para diversos segmentos do agronegócio. Ganhamos visibilidade e notoriedade estando na ESALQTec, além do “carimbo” ESALQ que vem junto a incubadora. Graças a este período, tivemos diversas oportunidades de aporte financeiro (FAPESP, FINEP, Investidores anjos, Venture capital, etc) e de divulgação do nosso projeto, engrandecendo e consolidando a Pragas.com”.

Atualmente, a associada possui 25 colaboradores e busca finalizar a segunda unidade da empresa, também em Piracicaba que contará com ampliação da biofábrica e casas de vegetação visando atender cada vez melhor os clientes. Alinhada as exigências do mercado a Pragas.com® se mantem firme na sua missão de ajudar o Brasil a alimentar o mundo, através de soluções inovadoras para viabilizar pesquisas agrícolas e o controle biológico de pragas.

Smart Agri& Smart Sensing
 
A ideia de abrir uma Startup foi quando o diretor da Smart Agri&Smart Sensing Marcos Nascimbem Ferraz trabalhava em uma empresa de desenvolvimento de eletrônica embarcada em máquinas. Nessa oportunidade, Ferraz obteve diversos contatos, com clientes, revendas e empresas, o mesmo afirma que pode perceber um grande distanciamento entre o nível comercial e o que era pesquisado na academia, o diretor destaca que “a ideia de abrir uma startup foi visando criar soluções avançadas, que fossem trazer benefícios a agricultores Brasileiros”.

Ferraz relata como maior dificuldade “ganhar a confiança do agricultor”, o foco era soluções de alto valor, que possibilitavam ganhos extremamente altos. “Investir neste tipo de solução é sempre uma aposta, e no Brasil não existem linhas de financiamento ou facilitadores para que que o agricultor possa apostar neste tipo de investimento”. Afirma o empreendedor. O diferencial de Ferraz foi sua ideologia, “sempre procurei me posicionar no lugar do cliente, não venderia algo que não escolheria comprar também”.

Dessa forma, Ferraz foi evoluindo de patamar, atualmente possui um produto (destaque da empresa Smart Sensing) chamado “WEED-IT”, direto da Holanda, um sistema de pulverização localizada de alta performance, esta tecnologia virou destaque mundial. No período de graduação, Ferraz relata que já se envolvia com agricultura de precisão e máquinas agrícolas, o mesmo afirma que a experiência acadêmica foi importante para buscar novos conhecimentos.




Ambas empresas são residentes da ESALQTec, passando também pelo “Ag Tech Valley”, o diretor relatou a importância destes caminhos percorridos: “A ESALQTEC é a nossa porta de comunicação com a ESALQ, gera credibilidade para a empresa e acesso a academia. Todo o ambiente de inovação de Piracicaba permite contato com possíveis parceiros e também acesso a mão de obra qualificada. Apesar do nosso maior mercado ser fora do estado de São Paulo, estar dentro de um centro de inovação acelera a etapa de reconhecimento e parcerias”.

Podemos perceber que é um setor que inova a todo o momento, por isso é importante que o empreendedor consiga acompanhar o ritmo, buscando sempre inovações para atrair mais clientes.  O projeto de ambas startups sempre foi focado em sistema de sensores para pulverização localizada, apesar do risco financeiro ser alto devido ao custo dos sistemas, o benefício é nítido.

“O Vale do Piracicaba é o ecossistema tecnológico mais importante do mundo no que se refere ao ambiente tropical, quando se pensa em agricultura. Realmente temos no nosso DNA a história de empreendedores e empresas que já trilharam um caminho de sucesso e de outros iniciantes que também irão trilhar em breve. A ESALQTec, situada na Fazenda Areão, foi o embrião deste movimento surgido em 2015, e continua contribuindo na interface entre pesquisa e inovação, abrigando projetos que contribuem significativamente com a sustentabilidade do nosso agronegócio. Podemos dizer que a ESALQTec é a principal “garagem” da inovação deste setor, o mais importante e competitivo do Brasil.” Afirma o gerente executivo da incubadora Sergio Marcus Barbosa. 




 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se você é produtor rural, qual a sua principal atividade agrícola?

11.9%
7.6%
15.3%
5.9%
11.0%
17.8%
8.5%
5.9%
3.4%
3.4%
5.9%
3.4%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp