17/08/2021 às 08h18min - Atualizada em 17/08/2021 às 08h18min

Óleo essencial de pimenta-de-macaco tem potencial para tratar doenças de peixes

Planta nativa é rica em dilapiol, substância que apresenta propriedades anti-infecciosas e antiparasitárias.

Cristina Tordin - Embrapa
Embrapa

-
O óleo essencial da pimenta-de-macaco (Piper aduncum), planta nativa da Amazônia, apresentou mais de 76% de eficácia no controle de parasitas monogenéticos do peixe pirarucu (Arapaima gigas). O resultado foi observado em uma pesquisa que avaliou esse óleo a fim de substituir medicamentos veterinários. Os pesquisadores também determinaram parâmetros seguros para que o seu uso não comprometa outros organismos aquáticos. Essa avaliação é importante caso os efluentes da aquicultura atinjam os corpos d'água nas áreas vizinhas e contenham traços do produto. O trabalho foi desenvolvido por cientistas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), da Embrapa Meio Ambiente (SP) e da Embrapa Amazônia Ocidental (AM) no âmbito do projeto BRS Aqua.

O óleo essencial de Piper aduncum mostrou ser eficiente e seguro para o controle de Hysterothylacium sp., um endoparasita responsável por significativas perdas econômicas em criações de várias espécies de peixes, incluindo o pirarucu, conforme estudos conduzidos por pesquisadores da Embrapa Amazônia Ocidental.
 

Aplicações

“Dependendo do objetivo, as aplicações são feitas por meio de banhos – para avaliação da atividade anestésica e no controle de alguns parasitos – ou via oral, na dieta dos peixes para avaliação imunoestimulante e em desafios com bactérias”, explica a pesquisadora da Embrapa Edsandra Chagas.

“Nossa equipe tem tido boas respostas quanto à atividade anestésica, atividade antibacteriana in vitro e como antiparasitário no controle de endo e ectoparasitos, como monogenea e acantocéfalos”, conta a pesquisadora ao revelar que a equipe realiza trabalhos também com outros óleos essenciais. Um estudo publicado pela equipe no Journal of Essencial Oil Research traz resultados de experimentos com esses óleos em tambaquis.

A cientista relata que os resultados dos estudos foram promissores, embora sejam relacionados apenas à escala laboratorial. Para que seja adotado na piscicultura, ela informa que serão necessários estudos de validação no campo, que ainda não estão previstos. 

A pesquisadora da Unicamp Patrícia Miura conta que a motivação do estudo surgiu da carência de informações sobre o comportamento desse óleo essencial contra organismos aquáticos não alvo ou seja, os não visados. Por isso, o grupo de pesquisadores decidiu realizar avaliações ecotoxicológicas para determinar parâmetros para o seu uso seguro em diferentes espécies de organismos aquáticos. “Portanto, esse estudo foi importante para assegurar que o seu uso não comprometa organismos aquáticos não alvo”, explica o pesquisador Félix Reyes, da Unicamp.

Para Miura, o trabalho abre caminho para o uso de produtos naturais para controlar bactérias e larvas de nematoides na piscicultura. “Esses organismos causam significativas perdas na aquicultura, e seu controle poderá ser feito também com outros óleos essenciais que também apresentaram eficácia comprovada nos testes”, acredita a cientista.


Tratamento natural para peixes
 

Os óleos essenciais têm sido considerados um método viável de prevenção e tratamento de doenças na aquicultura, causando menos efeitos ambientais adversos do que medicamentos veterinários. Eles têm mostrado interessantes propriedades para a aquicultura quando administrados corretamente, tais como sedativo, anestésico, antimicrobiano, imunomodulação e atividade redutora de estresse.


 

 

No entanto, é importante considerar que substâncias ativas derivadas podem ser estressoras ou mesmo tóxicas se as condições (forma de administração, concentração usada, ações específicas da espécie, quimiotipo e composição química) não forem adequadas

 

Útil para tratar várias doenças 

O óleo essencial de P.aduncum tem sido avaliado para uma ampla gama de aplicações na piscicultura: como anestésico, imunoestimulante, antibacteriano e antiparasitário. “Além disso, esse óleo é descrito como tendo atividades inseticidas, moluscicidas e citotóxicas, possivelmente associadas à sua composição química. É rico em dilapiol, substância à qual é atribuída parte dos efeitos anti-infecciosos e antiparasitários”, explica o pesquisador da Embrapa Claudio Jonsson.

 

Avaliação de risco ecológico

Inicialmente, para a avaliação de risco ecológico do óleo essencial de P. aduncum, foi necessária a caracterização química a fim de conhecer o teor do principal componente, o dilapiol. Para isso foi realizada a sua quantificação por meio da técnica cromatografia gasosa, que identificou o teor de 75,5% da substância no óleo. De acordo com a pesquisadora da Embrapa Sonia Queiroz, essa análise é importante, uma vez que a composição do óleo pode mudar em função da região, clima, solo, época de colheita, entre outros fatores relacionados ao local de onde a planta se origina.

“Após a composição química da amostra ter sido analisada, a sua concentração de risco foi determinada utilizando cinco organismos não alvo: uma microalga (Raphidocelis subcapitata), sementes de alface (Lactuca sativa L.), um nematoide (Panagrolaimus sp.) e dois microcrustáceos (Daphnia magna e Artemia salina)”, relata Jonsson. 

Um parâmetro útil nesse contexto é a concentração de risco, que protege 95% das espécies em uma comunidade e pode ser prevista a partir de um número reduzido de dados toxicológicos. Com base nesse cálculo, a concentração mais segura indicada para utilização do óleo na produção aquícola, sem comprometer a biota, foi de 0,09 mg por litro. 

Conforme explica o pesquisador, para determinar essa concentração, a distribuição de sensibilidade das espécies é realizada por um programa computacional, estimada com dados de toxicidade de pelo menos cinco espécies pertencentes a no mínimo quatro grupos taxonômicos.

 

A pimenta-de-macaco

A pimenta-de-macaco (P. aduncum) é um arbusto encontrado principalmente em regiões tropicais e subtropicais. No Brasil, ocorre na Região Amazônica. A planta é fonte de substâncias fitoquímicas importantes, muito utilizadas em formulações como estimulante digestivo, diurético, cicatrização de feridas na pele (também com potencial anti-inflamatório) e para combater dores estomacais. 

Foram registradas atividades mais importantes desse óleo essencial como antibacteriano, leishmanicido, antifúngico, antioxidante, citotóxico/anticâncer, larvicida/inseticida, antiplaquetário, moluscicida e antiviral. Tem sido usado também em aplicações na agricultura, em combate a pragas como a broca-dos-frutos e o percevejo (leia aqui).

Planta nativa do Brasil, a pimenta-de-macaco é fonte de óleo essencial relativamente abundante, obtido a partir das folhas e galhos finos.

Pode ser encontrada desde o nível do mar até altitudes consideráveis. Sua distribuição geográfica se dá na América Central, Antilhas e América do Sul. No Brasil, é encontrada nos estados do Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Mato Grosso, Ceará, Bahia, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná.





 

Autores

Participaram da pesquisa Patrícia Miura e Feliz Reyes, da Universidade Estadual de Campinas; Claudio Jonsson e Sonia Queiroz, da Embrapa Meio Ambiente; Edsandra Campos Chagas e Francisco Maia Chaves, da Embrapa Amazônia Ocidental. O trabalho foi realizado no âmbito do projeto BRS Aqua, patrocinado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e parte de seus resultados foi publicada em artigo na revista Acta Amazonica


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se você é produtor rural, qual a sua principal atividade agrícola?

10.7%
6.0%
7.7%
3.4%
8.1%
29.9%
6.4%
11.5%
4.7%
2.6%
6.0%
3.0%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp