13/07/2021 às 10h38min - Atualizada em 13/07/2021 às 10h38min

Aprenda alternativas e técnicas para superar a falta de alimento para os animais na estiagem

Uma excelente opção para nutrição dos ruminantes está nos resíduos da agroindústria, tais como polpa de frutas [laranja] e resíduo de cervejaria [cevada]

Lisley Silvério
IZ / APTA SP

-
Aumento dos custos de produção na atividade, impacto do desabastecimento de milho e soja e elevação de seus preços. E para somar à dificuldade, estiagem bateu à porteira e os animais precisam de alimento. Feno fica valorizado, escasso e caro para comprar. Quem se precaveu e armazenou volumoso na forma de silagem, assim como quem tem cana para alimentação animal estará na vantagem também. Um panorama que pode levar ao desespero. Mas nem tudo está perdido, destaca Mauro Sartori Bueno, pesquisador do Instituto de Zootecnia (IZ/Apta), uma opção, para ruminantes, está nos resíduos da agroindústria, como polpa de frutas [laranja] e resíduo de cervejaria [cevada].

Os herbívoros, em especial os ruminantes, devem ser alimentados predominantemente com forrageiras, e no período de estiagem, com a diminuição da oferta do recurso forrageiro, há necessidade de aumento da suplementação da dieta com fontes de energia [carboidratos e fibras] e também proteínas. Alguns animais podem estar em manutenção de peso e condição corporal com menor necessidade de nutrientes, contudo outros estão em produção [gestação, lactação, crescimento e engorda], necessitando ainda mais de alimento para garantir a produção.

“Para não sofrer com prejuízos com a alta dos alimentos, o correto é produzir e estocar os alimentos forrageiros na forma de silagem e feno, ou ter a cana já plantada e madura para ser colhida. Mas, e agora, o pasto sumiu!”, exclama Bueno. A suplementação geralmente é feita com ingredientes concentrados como milho e outros cereais e farelos de oleaginosas [farelo de soja e algodão], contudo estão caros, como nunca antes. Os volumosos [cana, silagens, fenos] produzidos na propriedade devem ser utilizados. Uma opção de compra são os resíduos agroindustriais secos e úmidos.

A cana é um dos volumosos de produção mais baratos nas propriedades rurais do Brasil, devido às características de alta produtividade, adaptação ao nosso clima, maturação e ponto de colheita nas épocas de estiagem. “Tem valor energético médio e baixo teor em proteína, aliado a ingestão baixa, o que dificulta sua utilização como alimento único para ruminantes”, explica Bueno ao enfatizar que a dieta com cana dever ser suplementada, “no mínimo, com ingredientes proteicos”.

Já a silagem de milho apresenta teor elevado de energia e médio em proteína, é importante lembrar que possui elevado custo de produção e assim necessita de programação eficiente no plantio, na condução da lavoura, além de colheita no ponto correto e armazenamento eficiente.

O feno comprado é geralmente mais caro devido a relação custo/valor nutritivo, produção e armazenamento eficientes não são tão acessíveis para os pequenos e médios criadores, pois o preço de implementos utilizados exigem um maior investimento. Sendo assim, o produtor pode utilizar em pequenas proporções nas dietas para ruminantes de produção.
 

Concentrados energéticos e proteicos
 

Bueno detalha que os ingredientes denominados de concentrados [energéticos e proteicos] são o milho [energético] e os proteicos [farelo de soja e algodão]. Atualmente, os preços do milho e o farelo de soja estão elevados, devido a sua grande necessidade para dietas de suínos e aves. “A demanda da China pelo nosso farelo de soja para seus animais e a nossa grande produção de carnes para exportação e consumo interno, contribuem para o interesse nesses produtos, e o preço alto do dólar americano contribuem para a elevação dos custos de produção dessas culturas.”

Contudo, o Estado de São Paulo tem opções com resíduos de origem nas agroindústrias, principalmente as de processamento de frutas, cervejeiras e processamento de grão e cereais.  Os resíduos dessa origem podem ser úmidos ou secos, o que vai determinar seu modo de armazenamento e fornecimento aos animais.
 

Armazenamento e transporte dos resíduos úmidos

Os resíduos úmidos como polpa cítrica úmida, bagaço de laranja, resíduo de cevada tem bom valor nutritivo para ruminantes. Os resíduos da polpa cítrica seca e úmida podem ser utilizados como ingrediente energético e substituir o milho em dietas de vacas leiteiras e animais em crescimento e terminação.

“A polpa cítrica seca ou úmida tem grande benefício em dietas de vacas leiteiras quando se substitui parte do milho por ela, pois diminui os problemas de acidose ruminal causados por excesso de milho”, garante Bueno.

O elevado teor de umidade (80-84% de água) faz com que os custos de transporte para a propriedade tenha grande proporção nos custos do total do produto. Para se obter o valor do produto seco e compará-lo a outros alimentos, como milho, Bueno orienta que “deve-se multiplicar o valor de aquisição por cinco. Se o preço desse ingrediente estiver abaixo de 70% do preço do milho grão, é uma boa opção de compra”.

Após a decisão de compra pela comparação de preço, deve-se preparar o armazenamento desse produto úmido, pois sua exposição ao ar causa oxidação e degradação do produto.

Para ser armazenado na forma de ensilagem, deve-se retirar o excesso de líquido, colocar em silo ou em superfície em montes com maior comprimento que largura e cobri-lo e compactá-lo com lona plástica para proteção do contato com o ar.

Bueno explica que para o fornecimento da silagem, pode-se abrir um lado, ir dobrando a lona e retirar fatias diárias do produto na direção do comprimento e evitar a exposição ao ar do restante do alimento.  “Dessa maneira aumenta a longevidade, pois estará coberto e protegido do ar.”

O resíduo de cervejaria úmido também tem as mesmas características de degradação rápida por ter muita água. Ele tem médio-alto valor energético e proteico e passará a ser uma boa decisão de compra se o valor seco for comparável a 80% do milho. O armazenamento pode ser por ensilagem como a polpa cítrica úmida.

Outra maneira de armazenar e fornecer o produto aos animais é a forma de sopão por períodos menores de armazenamento. Pode ser armazenado em tanques simples com todos os líquidos que possuem, por período aproximado de sete a dez dias, com pouco prejuízo em sua degradação, ao programar a aquisição frequente.     

“Outros resíduos da agroindústria de extração de suco e processamento de frutas, provavelmente têm essas mesmas características”, finaliza Bueno.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se você é produtor rural, qual a sua principal atividade agrícola?

10.7%
6.0%
7.7%
3.4%
8.1%
29.9%
6.4%
11.5%
4.7%
2.6%
6.0%
3.0%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp