05/02/2022 às 13h21min - Atualizada em 04/02/2023 às 15h21min

Leia a 2° edição do “Ranking Nacional da Desvalorização da Pecuária Leiteira”

A lista traz os 6 estados em que o produtor está praticamente pagando do próprio bolso para pôr leite na mesa da população.

Emerson Luis de Mesquita
Scot Consultoria / Embrapa Gado de Leite / IBGE
-
Em 2021 resolvemos lançar este Ranking com objetivo de chamar a atenção dos setores públicos e privados sobre a importância da valorização dos produtores de leite brasileiros, e principalmente fazer esta valorização refletir em ganho no preço pago ao produtor pelo litro de leite.


Fizemos isso para apoiar nossos leitores e mesmo recebendo muitas críticas de empresários e de setores do governo dos estados, principalmente dos Conseleites, decidimos manter o projeto, para mostrar para todo Brasil a situação real dessa multidão de brasileiros que acorda antes do sol rair e trabalha duro para levar o leite para nossas famílias.


 



Na primeira edição 
o retorno foi muito bom já que alcançamos mais de 4.400 leitores.





Além disso tivemos MILHARES de comentários em nossas redes sociais
 de produtores falando sobre o assunto.























Se você gostou deste projeto, nos ajude, compartilhe em suas redes sociais, envie pelo whatsapp, para que o maior número de pessoas possa saber o que se passa da porteira para dentro.



MUITOS AGRICULTORES FAMILIARES SOBREVIVEM  DO LEITE 


   
O leite está entre os cinco produtos agrícolas mais consumidos diariamente na mesa dos brasileiros, e é sem dúvida um dos alimentos mais importantes para humanidade, afinal consumimos leite desde o dia em que nascemos.


 
O Brasil tem aproximadamente 1,15 milhões de produtores de leite, e cerca de 70% destes fazem parte da agricultura familiar, segundo dados do IBGE de 2017.



Estes produtores são responsáveis por captar cerca de 35 bilhões de litros de leite por ano. O rebanho brasileiro de vacas atinge aproximadamente 16,3 milhões de cabeças. E o país ainda importa leite.


 
Para quem não sabe, ou não é do meio rural, a produção de leite é uma atividade rurais mais cansativas, além disso ela não para nunca, os produtores de leite trabalha 7 dias na semana, 30 dias por mês, 365 dias no ano, sem folga, feriado ou dia santo.



Apesar do leite ser um produto tão importante para alimentação das famílias e para o agronegócio brasileiro, ele é um dos produtos agrícolas menos valorizados, e o produtor de leite ainda menos.



CUSTO DE PRODUÇÃO


 
A maior parte do valor que os produtores de leite recebem é utilizado na alimentação dos rebanhos que para produzirem precisam de nutrição especial. Sem falar da energia elétrica, o diesel do trator e tudo mais que envolve a atividade.



Os custos para produção apenas em janeiro de 2022 tiveram alta de 17,23% segundo a Conab e estão hoje na casa de R$1,52/litro e com previsão de aumentar ainda mais, já que o preço do milho e da soja utilizados na nutrição das vacas está subindo todos os dias.


O milho teve alta de cerca de 78% no último ano, e a soja aumentou praticamente 90% desde abril de 2020. No mesmo período o preço do leite foi corrigido em cerca de 40%.


Para se ter uma ideia, uma lata de cerveja de 330ml é vendida a R$3,90, o mesmo preço de 1 litro de leite.


E destes R$3,90 a R$4,00 que pagamos pelo leite na prateleira dos supermercados, o produtor fica com aproximadamente R$1,99 segundo a média Brasil (Cepea/Esalq).
 

Numa conta simples, se o produtor vende o leite por R$1,99 e gasta R$1,52 para produzir, então temos um saldo de R$0,47 por litro vendido, o que seria um resultado aceitável não é verdade?


Porém existem estados braisleiros que pagam aos produtores muito menos de R$1,99 pelo litro de leite, e isso fez com que 20 mil famílias deixassem a atividade nos últimos dois anos.


Segundo os produtores, além do baixo preço, a desvalorização e o desinteresse do poder público em ajudar a mante-los na atividade tem desestimulado ainda mais.

 
Como o lema do nosso portal é “a notícia a serviço do produtor rural”, resolvemos criar o ranking brasileiro da desvalorização do leite, para mostrar ao poder público e a sociedade, onde o produtor está praticamente pagando para trabalhar.


 
Vamos ao ranking:
 
 
#1° lugar - Rondônia

 
O estado é bicampeão em nosso ranking já tem o pior preço do litro de leite pago ao produtor rural no Brasil, a informação foi confirmada pelo Conseleite do estado em sua publicação oficial de janeiro em que demonstra o preço de referência é de R$1,47/litro  porém em alguns municípios se paga R$1,33/litro.


 



Foto: Documento oficial Conseleite de Rondônia / Disponível no site do Governo do Estado de Rondônia através do link: 
https://rondonia.ro.gov.br/wp-content/uploads/2022/01/RESOLULCAO-CONSELEITE-JANEIRO-2022.pdf



 
Se o custo para produzir leite está em R$1,42/litro e em alguns municípios de Rondônia o produtor recebe R$1,34/litro o prejuízo deste produtor é de R$0,08/litro.


Ainda assim, em volume de produção, Rondônia ocupa a 7° posição, o que demonstra existir ânimo do produtor para trabalhar, o que falta é incentivo.



#2° lugar - Tocantins

 
O estado subiu uma posição em nosso Ranking de 2022 em comparação com 2021 e chegou a vice líder.


Tocantins tem uma presença forte na produção agrícola e na pecuária do Brasil, além disso se destaca em setores como a piscicultura, porém quando o assunto é leite, a coisa é bem diferente. Por lá o preço pagos aos produtore é um dos piores, apenas  R$1,46/litro na média do estado




Então, se o custo de produção está em R$1,42/litro e o produtor recebe R$1,46/litro, o resultada da um lucro de R$0,04/litro.



A situação dos produtores do estado é bem ruim, em parte devido ao preço atual de soja e milho, utilizados na alimentação das vacas e também pelo valor recebido pelo leite que em alguns locais não cobre o custo.



#3° lugar - Bahia
 
 
O estado manteve sua terceira colocação conquistada em 2021, porém o produtor baiano é um grande guerreiro já que enfrenta dificuldades com longos períodos de seca, o que encarece ainda mais alimentar o rebanho.



Neste início de ano a população do estado sofreu com alagamentos provocados pelo excesso de chuvas em diversos municípios.



 
As cidades que se destacam na produção baiana de leite são Feira de Santana que e Itabuna, ambas na região sul do estado.



Em Feira de Santana os produtores recebem dos laticínios o valor de R$1,55/ litro, e em Itabuna o valor é de R$1,60/litro.


 

O rebanho leiteiro do estado tem produtividade bem abaixo do restante do país.
 

  
#4° lugar - Mato Grosso


 
O IMEA-MT informa em seu site que atualmente o preço do leite pago ao produtor é de R$1,88/litro, porém o valor se altera nas diversas regiões do estado.


No município de Novo São Joaquim, na região Leste, os produtores estão recebendo R$1,60/litro. Esse baixo preço acabou gerando uma revolta e como forma de protestar os produtores distribuiram 10 mil litros de leite a população da cidade.


Na cidade de Confresa os produtores também distribuíram leite a população como forma de chamar atenção do poder público para o problema. Em 2021 os produtores do município recebiam R$2,00/litro e atualmente recebem R$1,68/litro.



 

Vídeo cedido pelo SBT de Confresa
 

A situação se repete em vários municípios e com isso o estado do agronegócio é o terceiro colocado em nossa lista.
 


 
# 5° Pará


 
O estado melhorou sua posição em 2022, já que no ranking passado era o vice líder.


Segundo informações do Canal Rural o preço pago aos produtores pelos laticínios atualmente é de R$1,61/litro na média, e com 30 dias de prazo.

 

No Pará a produção média do rebanho leiteiro é de 2,2 litros/dia por vaca, que são criadas a pasto e com baixo emprego de tecnificação, já que não se consegue investir em produção com um lucro de R$0,18/litro.

 
Apesar disso, o estado continua a ocupar a 12° posição entre os maiores produtores de leite do país.


#6° lugar - Pernambuco

 

 
Na última colocação deste ano encontramos o estado de Pernambuco. Segundo os institutos de pesquisa econômicas, os laticínios de lá estão pagando o preço médio de R$1,69/litro ao produtor.

 
A situação é dificil já que devido ao clima do semiárido, alimentar o rebanho leiteiro é um desafio ainda maior pois não tem tratar do gado a pasto e com o valor recebido pelo leite o produtor não consegue utilizar o milho e o farelo de soja como alternativa.



 
Se você gostou deste projeto nos ajude, compartilhe em suas redes sociais, envie pelo Whats App para que o maior número de pessoas possa saber quanto é dificil a situação dos produtores de leite brasileiros.



Fontes principais de preço: 


- Canal Rural , Cepea/Esalq
Scot Consultoria e Embrapa Gado de Leite


 

LEIA TAMBÉM:


Silagem de trigo: desenvolvida cultivar adaptada para diminuir a dependência do milho 





 Silagem da rama da mandioca é apresentada como mais uma opção para o produtor durante estiagem






Silagem de soja na propriedade reduz custos com ração seca para gado de leite





Conheça as principais vantagens da silagem de capim para a pecuária leiteira





Silagem de Capim-elefante tem alta produtividade e a implantação custa muito menos que outras variedades



 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Disqus exige que voce se registre seu site. Voce pode fazer isso a partir de Registre-se
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp