14/04/2021 às 14h38min - Atualizada em 14/04/2021 às 14h38min

Levantamento aponta que o atraso na janela de plantio do milho deverá comprometer a produção no Paraná e Mato Grosso

No Paraná, o estudo da Geosys Brasil apontou que o indice de vegetação e a umidade do solo estão abaixo do esperado

Redação com assessoria
Geosys Brasil

Segundo dados divulgados pela Geosys Brasil, empresa que desenvolve soluções para agricultura a partir de dados de imagens de satélite e modelos meteorológicos, mostra que, no Mato Grosso, 43,5% das áreas de milho safrinha foram semeadas em março, sendo que a semeadura de 38,7% ocorreu na segunda quinzena de março, ou seja, fora do período recomendado para o plantio. 

No Estado, até o fim de fevereiro - quando se encerra a janela ideal de plantio - 56,5% tinham sido semeadas, aponta a Geosys, contra 92% na comparação com dados da Conab do mesmo período da safra passada. Mesmo com o atraso, o desenvolvimento das lavouras tem ocorrido de maneira satisfatória nas regiões avaliadas.

O levantamento foi realizado em diversas áreas distribuídas em seis estados produtores de milho (Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais, São Paulo e Paraná) no final de março, com objetivo de verificar a situação das lavouras de segunda safra e antecipar possíveis complicações.

Goiás e Mato Grosso do Sul também atrasaram o plantio do milho safrinha, sendo que 31,1% e 68,4% das lavouras, respectivamente, foram semeadas em março.

No Paraná, 58,6% do plantio da área do milho safrinha ocorreu na segunda quinzena de março. Os registros da Geosys Brasil mostraram que até fevereiro, no Paraná, apenas 38% das áreas analisadas haviam sido semeadas. Para comparação, no mesmo período do ano anterior, segundo a Conab, cerca de 61% da área estava plantada.

Além do atraso no plantio da safrinha, outro ponto que preocupa no Paraná são as condições das lavouras no início da safra. O índice de vegetação está no menor patamar dos últimos anos, o que indica que as lavouras estão em condições insatisfatórias, pelo menos por enquanto.

Outro fator preocupante é a umidade do solo que está em um nível abaixo do registrado na safra de 2020, ano em que a produtividade foi 12% abaixo da tendência. Na safra atual, a umidade do solo é a menor registrada dos últimos 30 anos, e essa situação tem colaborado com o resultado desfavorável até o momento. Por meio da análise dos dados, verificou-se que, em 73,2% das áreas, o plantio do milho nesta safra ocorreu com a umidade do solo abaixo da média.

Juntos, Mato Grosso e Paraná, representam 61% da produção nacional de milho safrinha, e a estimativa de produção da Geosys é de 48,72 milhões de toneladas para a safra 2020/2021. Com o plantio tardio do milho na safra 2020/2021, as lavouras estarão mais expostas às condições climáticas menos favoráveis, como menor radiação solar, menor precipitação e maior possibilidade de geadas.

Até o fim de março, a Geosys verificou ainda que no Mato Grosso do Sul, os dados mostram que, em  65% das áreas analisadas, a emergência não havia sido detectada. Na média de todas as áreas analisadas nos seis estados, em 43,9% a emergência não havia sido detectada até o fim do último mês.

A germinação e emergência do milho podem atrasar caso a temperatura e a umidade do solo sejam baixas e a previsão é de que ambos os indicadores continuem abaixo da média pelo menos até meados da segunda quinzena de abril (figura1). Apenas no Mato Grosso do Sul e Oeste do Paraná, as temperaturas devem ficar acima da média, porém a umidade do solo deve permanecer em baixo patamar, segundo o analista da Geosys, Felippe Reis.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se você é produtor rural, qual a sua principal atividade agrícola?

10.1%
6.0%
8.1%
3.2%
8.5%
30.2%
6.0%
10.9%
5.2%
3.2%
5.6%
2.8%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp