08/10/2020 às 08h50min - Atualizada em 08/10/2020 às 08h50min

Na última semana, o boi gordo apresentou alta de 2,03% e a vaca gorda teve um aumento de 2,24%

O bezerro de ano ficou cotada em R$ 2.075,15/cab., acréscimo semanal de 4,24%

Redação com assessoria
IMEA MT
-
Escalas menores: a escala serve como um demonstrativo da “sede” da indústria na procura de bovinos para abate ao longo das semanas. No início do ano, com a baixa demanda comum para o período, as escalas estavam mais longas, em jan/20 a foi de 6,91 dias.

Já em fev/20, as programações chegaram à máxima de 2020, 7,05 dias, indicando cenário confortável para a compra de animais. Contudo, com a crise do coronavírus e a queda na oferta de bovinos, em mar/20 houve recuo mensal de 17,24%, ficando em 5,84 dias, e em abril o cenário foi ainda pior, com o menor valor do ano: de 5,22 dias.

Mais recentemente, em setembro, a oferta ainda não deu sinais de forte recuperação e as escalas seguiram em decréscimo mensal, agora de 8,27% e média de 6,00 dias. Para os próximos meses, há indícios de uma constante do atual cenário, uma vez que a disponibilidade de animais segue restrita, o que, inclusive, poderá ser um movimento atípico para o período. 

• Na última semana, o boi gordo apresentou alta de 2,03% no comparativo semanal e ficou na média de R$ 235,62/@. Já a vaca gorda teve um aumento de 2,24% no mesmo período e a média ficou em R$ 224,36/@.

• No mercado de reposição, diante da baixa oferta de animais, os preços continuam em alta. Na última semana, a média do bezerro de ano ficou cotada em R$ 2.075,15/cab., acréscimo semanal de 4,24%.

• A escala de abate não teve alteração em relação à semana passada, se mantendo na média de 5,99 dias.

• No atacado, as movimentações foram menos intensas e o equivalente físico (EF) teve um aumento de apenas 0,89% ante a semana passada. Assim, o indicador ficou na média de R$ 210,68/@.

MAIS BEZERROS: um dos fatores que tem marcado 2020 é a baixa oferta de animais aptos para abate. Parte desse cenário foi influenciado pelo menor número de bezerros nascidos em 2017/18 no estado.

Diante disso, de acordo com os dados recém-divulgados pelo Indea-MT, foi possível verificar como poderá ser a oferta de animais para abate nos próximos anos, segundo os registros de animais até 12 meses. No total do estado, há 4,07 milhões de cabeças, valor 5,76% maior que em 2018.

Quando se verifica por região, os destaques - em termos de incremento em relação há dois anos - são a região médio-norte, com +14,89%, e a região oeste, com +12,38%. Contudo, em termos de volume, a maior ofertante de bezerros é a região norte, com 795,18 mil cabeças, volume 4,98% superior ao de 2018, e em seguida a região noroeste, que também teve incremento no mesmo período de 4,61%, totalizando 696,79 mil cabeças. Já a centro-sul foi a única que reduziu seu rebanho da categoria em -4,15% ante a 2018.  

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se você é produtor rural, qual a sua principal atividade agrícola?

11.3%
5.2%
8.5%
3.8%
8.5%
31.9%
6.6%
10.8%
3.8%
2.8%
4.2%
2.8%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp